Arquivo da categoria: crítica

Sonho Meu: O triste fim de uma novela que era feliz

Terminou nesta semana Sonho Meu, novela que meio mundo nunca entendeu o motivo pelo qual a Globo não a reexibiu, e sempre foi um desejo deste que vos fala rever.

Um marco da minha infância, especialmente por conta da menina Laleska, maravilhosamente bem vivida pela pequena Carolina Pavanelli (difícil entender até hoje o motivo que fez a Globo deixar de lado esse talento, que tanto abrilhantou a trama).

Fato é que nos primeiros meses a novelinha é realmente deliciosa de acompanhar, com tantas crianças talentosas que tornavam a história ainda mais especial. Elas tinham destaque, com foco em suas brincadeiras, briguinhas e armações no orfanato.

Porém, por uma infelicidade de quem escreveu – ou pressão da Globo, já que Marcílio bota a culpa no colo da emissora -, Sonho Meu virou uma novela triste. Era um arco-íris, cheia de cores, e de repente virou um folhetim cinza, todo focado em Jorge e suas armações com Claudia.

Em certo momento, é possível verificar que até Patrícia França, uma excelente atriz, estava cansada, saturada de tanta tortura, afinal, estava todo dia trancada e chorando. Atuava de qualquer jeito. Quem aguenta?

Até Laleska e os amiguinhos perderam espaço. E assim, foi difícil chegar ao final e ficou fácil entender o que fez a Globo esquecer Sonho Meu na gaveta: muita apelação e pouca história. Não é nada do que me recordava. Infelizmente.

Campo do Medo

Campo do Medo | Crítica

Campo do Medouma adaptação de Stephen King, estreou com grande expectativa nesta sexta-feira (04) na Netflix. O resultado, porém, foi terrivelmente decepcionante. Apesar da temática atrativa, o longa não cumpriu o que prometeu em seus trailers aterrorizantes.

O enredo traz os irmãos Becky e Cal, que em uma viagem, ao parar o carro após a jovem passar mal, escutam a voz de um garotinho vinda de um enorme matagal. Como todo filme de terror, os personagens decidem entrar e acabam descobrindo da pior maneira que coisas estranhas ocorrem por lá.

Elite | Netflix anuncia fim das gravações da 3ª temporada

Disney toma decisão contra a Netflix e acirra disputa dos streamings

VideoShow

A verdade é uma só: Boninho matou o Vídeo Show

O assunto da semana é o fim do Vídeo Show. O anúncio é triste, mas era esperado, apesar de ter demorado anos pra acontecer.

Afinal de contas, o Vídeo Show acabou com a saída de Monica Iozzi. De lá para cá, algumas poucas coisas boas surgiram, como por exemplo os quadros Memória Nacional e o Meu Vídeo é um Show.

Ainda assim, cabe ressalvas: os apresentadores desconhecem novelas, programas e artistas da Globo e, portanto, muitas vezes o Meu Vídeo era um vexame. Aliás, sequer cheguei a conferir a fase com BBB’s por motivos de nem preciso justificar.

Shoptime

Shoptime acerta ao reformular programação após anos de mais do mesmo

Neste mês em que completa 23 anos, o Shoptime lançou uma nova programação, com direito a estreias que vão além das vendas.

Leia: Shoptime comemora aniversário com nova marca e reformulação da grade de programação

Com Que Bom Que Você Veio, o canal pago aposta ainda mais em um dos queridinhos do público: os quitutes de Flávia Bonato.

Leia: Ex-galã do Disney Channel e Shoptime, Rafael Baronesi quer voltar às novelas: “Sinto muita falta”

Agora, além do Cozinha Criativa, a ex-Globo comanda o semanal, no qual além de receitas, recebe convidados em uma cozinha só sua. E dessa vez, sem ficar falando de preço ou promoção: as receitas são o prato principal.

Outra novidade é o Renova, com o prestigiadíssimo Ciro Bottini. Ele promove uma gincana em que famílias concorrem a prêmios, usando um caminhão cheio de presentes.

Tricotando

Com Tricotando, RedeTV! insiste em errar na faixa das 18h

Nos últimos anos, a RedeTV! testou de tudo na faixa das 18h, de infantis a policiais, sem obter sucesso.

Leia: Tricotando estreia mal na Rede TV! e tem baixa audiência

Agora, aposta no Tricotando, que estreou em meio a polêmicas, como a acusação de se inspirar no Fofocalizando, do SBT, e o de perder a apresentadora, Rosana Jatobá, nas vésperas do lançamento.

Leia: Com Tricotando, RedeTV! se torna canal de um assunto só

No caso da primeira acusação, cabe lembrar que Sonia Abrão, há mais de dez anos, comanda um formato de fofoca na RedeTV!, e ela sim inspira vespertinos desde que lia revistas no antigo A Casa é Sua.

Não que isso seja um grande mérito, já que Sonia não produz conteúdo, e sim lê e comenta fofocas alheias, mas chegou primeiro. No caso de Rosana, segundo o site Notícias da TV, a jornalista se sentiu enganada, pois acreditava que iria liderar um formato de variedades.

Segundo Sol

João Emanuel Carneiro foi supervalorizado e se perdeu

Chega ao fim nesta sexta-feira Segundo Sol, mais uma novela criticada de João Emanuel Carneiro, depois de muitas em que foi tratado como um novo Deus da teledramaturgia, inclusive por este que vos fala.

Sim, ele mereceu os elogios. Catapultou a faixa das 19h com o grande sucesso Da Cor do Pecado, que eu particularmente não gostei. Depois, mais uma vez elevou os índices do horário com a deliciosa Cobras & Lagartos.

Mas foi com a inesquecível A Favorita que o novelista ganhou o coração de meio mundo, com a inteligente forma com a qual enrolou o público por meses sem revelar quem era a real vilã de sua novela.

Em seguida, mais uma vez um roteiro inteligente com a série A Cura, outra bastante elogiada e cujo público ficou torcendo por uma continuidade que não veio.

Apesar do feito com A Favorita, foi com Avenida Brasil que Carneiro viveu seu melhor momento na TV, e mais uma vez eu não gostei de um folhetim do novelista: achei exageradamente popular e muito gritada. Apesar disso, adorei Carminha, uma vilã inesquecível de Adriana Esteves.

Jesus

Record TV não aprende com erros e espanta público de Jesus

A Record TV, com Os Dez Mandamentos, encontrou um filão para voltar a tornar suas novelas atrativas: a Bíblia.

Leia: A Fazenda 10: Record corta transmissão do reality

É bem verdade que a temática não era novidade na emissora, que já havia produzido séries e minisséries, porém, foi com a história de Moisés que o canal conseguiu vencer a Globo.

Leia: RecordTV define apresentadores do Família Record; saiba mais

Com A Terra Prometida, a Record TV manteve um público fiel, mas o mesmo feito não se repetiu com O Rico e Lázaro, muito em função do imbróglio criado pela saída dos canais pertencentes à Simba da TV paga.

Então, a rede de Edir Macedo lançou a trama que poderia retomar os bons tempos no quesito audiência. Ocorreu o contrário, e Apocalipse recebeu uma chuva de críticas por seu teor doutrinador, visando passar pregações da Igreja Universal através dos textos.

Comedy Central estreia série de sucesso 'Key e Peele'

Comedy Central estreia série de sucesso ‘Key e Peele’

A série de sucesso ‘Key & Peele’ chega ao Comedy Central na próxima quarta-feira, 14 de novembro, às 22h30. Criado e estrelado por Keegan Michael Key e Jordan Peele, o programa aborda questões de política, cultura e da sociedade em geral, envolvendo muita comédia, improviso, personagens originais e paródias incríveis.

Além de muito divertida, a dupla é ousada e tem muita química. Os comediantes Key e Peele trabalharam juntos no humorístico MAD TV. A parceria deu tão certo que eles resolveram assumir um novo programa. Logo na primeira temporada, ‘Key & Peele’ foi aclamado pela crítica americana e alcançou grande sucesso de público.

Segundo Sol

Resumo Hoje – Novela “Segundo Sol” – 06/10/2018

Capítulo 126 “Segundo Sol” – 06/10/2018
Valentim afirma que não quer mais saber de Rosa. Ícaro comemora com Manu, que alerta o irmão sobre Rosa. Naná conforta Valentim. Laureta e Karola confrontam Rosa, que segue chantageando as duas. Groa vê Quinho com Emily e aumenta suas suspeita contra a menina. Rosa se muda para o casarão com Ícaro, e Manu não aprova a união dos dois. Ícaro, Manu e Rosa descobrem sobre o incêndio e se preocupam com Cacau e Nice. Karola procura Valentim na casa de Naná e Dodô, mas o rapaz pede que a mãe o deixe só. Cacau visita Roberval na prisão, e os dois prometem apoiar-se um ao outro. Laureta arma para que Luzia seja presa, mas ela consegue escapar. Beto, Luzia e Groa concluem que Emily é uma impostora usada por Laureta. Nice revela para Cacau que o culpado pelo incêndio é Agenor. Valentim desabafa com Karola sobre Rosa. Beto procura Laureta.

Saiba tudo sobre o programa da Globo Os Melhores Anos das Nossas Vidas

Boas histórias, músicas marcantes, filmes inesquecíveis, momentos históricos, novelas que marcaram época… O tempo passa, mas as boas lembranças permanecem. Uma saudosa viagem no tempo numa divertida competição entre cinco décadas: 1960, 1970, 1980, 1990, 2000. Assim será ‘Os Melhores Anos das Nossas Vidas’, programa que estreia no dia 11 de outubro, com redação final de Paula Miller e direção geral de Bernardo Portugal. A atração vai ao ar às quintas-feiras, após ‘Carcereiros’.

Leia: Ex-participantes do The Voice são escalados para novo programa da TV Globo

No comando da disputa está Lázaro Ramos, que apresenta o game show com a ajuda de cinco líderes, cada um representando uma década: Marcos Veras (1960), Marco Luque (1970), Lúcio Mauro Filho (1980), Ingrid Guimarães (1990) e Rafa Brites (2000). Os times contam ainda com ex-participantes do ‘The Voice Brasil’. A cada programa, duas décadas duelam, e a brincadeira é uma só: provar que a sua época é a melhor de todas. E, nesta competição bem-humorada vale tudo para ganhar os votos. No palco da atração, personagens que fizeram história, personalidades da TV, da música, do esporte, ou até mesmo anônimos que se destacaram por algum feito ou se tornaram notícia de alguma forma.

Os hits das épocas também terão destaque com a apresentação de cantores ou bandas que foram emblemáticos no período. Junto a eles, dançarinos caracterizados com figurinos e looks da década relembram os passos e estilos que foram sucesso naqueles anos.

Leia: “Fiquei muito triste”, revela Lázaro Ramos sobre a saída de Juliana Paes de programa que iriam comandar juntos

Vencedor de Os Melhores Anos das Nossas Vidas

Mas quem decide o período vencedor? Uma plateia formada por 100 jovens, com idades entre 18 e 20 anos, que vota em tempo real durante e no final do programa. Após assistirem aos musicais, danças, entrevistas, fatos marcantes e curiosidades referentes a cada década, eles escolhem a época em que gostariam de ter vivido votando através de um dispositivo enquanto participam da atração. O último duelo acontecerá em uma grande final que reunirá as duas décadas que mais vencerem ao longo das edições numa derradeira disputa.

“O programa é um grande game show em que vamos abordar temas que mexem com a memória afetiva do espectador através da música, do que foi notícia no Brasil e no mundo, arte, cultura, esporte, moda. Tudo isso feito de maneira divertida e informativa. O que o torna ainda mais especial é a abordagem desses temas, pois temos o desafio de apresentá-los a jovens que não viveram essas décadas”, afirma a redatora final Paula Miller.

“Todos nós temos uma questão saudosista nesse projeto, um apego, uma memória afetiva do que aconteceu na infância e na adolescência. Teremos a oportunidade de reviver isso tudo com o público, já que todas as décadas se enfrentam, e de levar informação às pessoas de maneira descontraída”, pontua o diretor-geral, Bernardo Portugal. “O bacana é que o programa gera reações muito espontâneas nas pessoas porque lida com a memória e com o nosso emocional. É uma grande festa. O público pode esperar muita diversão e, para usar um termo do passado, ainda ganha de “lambuja” um aprendizado sobre os grandes acontecimentos no Brasil e no mundo”, resume Lázaro Ramos.

Cinco líderes

Cada um dos cinco líderes já entrou na brincadeira e faz questão de defender com garra sua década. “Sou muito competitiva, e representar os anos 90 tem sido muito bacana para relembrar uma época que não é tão distante, mas que muitos não têm lembrança”, observa Ingrid Guimarães. Para Lúcio Mauro Filho, a década de 80 é uma das mais queridas pelo público: “Foram tantos acontecimentos e coisas maravilhosas que vivemos naqueles anos…”.

Já Marco Luque está expert nos hits e no figurino dos anos 70. “É um período de grande efervescência cultural e de transformação”, define. Na década de 60, Marcos Veras destaca o estilo de vida e os grandes movimentos culturais: “Muitos terão a oportunidade de redescobrir ou conhecer cantores e notícias da época”. Já Rafa Brites está animada com os anos 2000. “Quero mostrar o que de melhor temos nestes anos e cativar o público com muita dança, música e informação”, conta.

Por dentro das décadas

Como serão relembrados os momentos de cada década

As músicas, os filmes, a moda, as grandes notícias que fazem parte de cada uma das décadas e que ajudaram a compor e determinar as características de várias gerações serão relembrados ao longo dos programas de diferentes maneiras.

Os hits – Os grandes sucessos de cada década com os arranjos originais serão interpretados pelos convidados e acompanhados pela banda do programa, ao vivo. Junto a eles, um corpo de bailarinos apresentará no palco os ritmos e coreografias que marcaram cada época.