10 anos do 11 de Setembro: O mundo mudou? Piorou ou melhorou?

10 de setembro de 2011 0 Por Endrigo Annyston

Acho que a pergunta que não quer calar nesta semana é: o que você estava fazendo quando aconteceu o ataque terrorista às Torres Gêmeas no chamado “11 de setembro”, há 10 anos?

De lá pra cá as imagens já foram discutidas em novelas (Páginas da Vida), o assunto virou tema de livros, debates, reflexões e continua atual, afinal, motivou guerras e culminou na morte do líder da Al Qaeda e idealizador dos ataques Osama Bin Laden.

Eu me lembro pouco, sinceramente, memória não é meu forte. No entanto, devo dizer, eu tinha 16 anos e o ataque ao WTC se junta a outro momento chocante daquele mesmo período: o sequestro da filha de Silvio Santos.

Não é comum a TV Globo interromper sua programação, isso só acontece quando é algo muito chocante ou de extrema relevância, caso contrário entram com flashs no famoso “Plantão”. Famoso e medonho, me tremo inteiro quando ouço a musiquinha.

E se não estou enganado essas duas coberturas foram ancoradas por Carlos Nascimento e todo mundo estava ali, em frente ao televisor querendo saber o que era aquilo que estava mais para produção de Hollywood e na verdade era real, tão real que assustava.

É impossível dizer qual choque foi maior: o estrago provocado nas famosas Torres, as vítimas que morreram na hora ou as demais que saltavam das janelas dos prédios pois sabiam que não iriam resistir.

Além disso, a dúvida: aquilo já era suficiente para o ódio dos terroristas ou teriam mais ataques?

Foi uma das coisas mais horrorosas que eu já tinha visto em meus 16 anos de idade.

Hoje, com 26, se me questionarem em que o mundo mudou, eu jamais diria que para o bem.

Sempre acho que uma tragédia assim ou outras de menores proporções como a do rapaz que invadiu a escola em Realengo e até tragédias naturais deveriam servir para conscientização, para avaliarmos nossa vida e batalharmos por uma vida melhor.

Mas a sensação é que isso acontece somente enquanto o assunto está nas rodinhas de conversa, logo todos esquecem. Quer dizer, o tema volta a tona quando novamente algo terrível acontece.

E vocês sabem que o episódio de Realengo até serve realmente como comparação, né? Ele fez terrorismo e, naquele momento, o bullying foi tido com o responsável. Ele quis vingança.

É possível dizer que sentimos melhora com relação ao preconceito desde então?

Pois é, muito se falou, mas ficou por isso mesmo.

Portanto, que todos esses especiais na mídia não sirvam apenas para relembrar um momento trágico, que saibamos refletir a respeito. E uma reflexão sincera, que realmente gere frutos, só assim dá pra sonhar com um mundo melhor!