50 Tons de Cinza é uma porcaria, mas entendi o que atrai as mulheres

Fiquei curioso com o sucesso de 50 Tons de Cinza. O livro surgiu do nada como um fenômeno mundial com o lançamento das três publicações que contam a história de Anastacia e Christian Grey.

Corri comprar, assim como muitos.

De início achei o livro fascinante, tinha uma história instigante e, bem, eu não conseguia parar de ler. Enxerguei na autora uma coisa tipo Marian Keyes, que sabe fazer rir.

Quando me aproximava da metade, essa fascínio acabou e, como consequência, tive preguiça de terminar.

A autora é muito repetitiva e, essa Anastacia que ela construiu, realmente merece apanhar. Sentia vontade de estar no lugar do Christian, que menina samonga!

Já estava de saco cheio de sua deusa interior chacoalhando pompons, do plástico laminado, do cheiro do Christian, de suas mordidas no lábio e virada de olho, também dos olhos de Christian, enfim, dessa samonga como um todo.

O mote do livro, que é o sexo, era muito fraquinho, extremamente imbecilóide. Até os filmes de Emanuelle são melhores.

Entendi, no entanto, o motivo de virar febre entre as mulheres. Não é nem pelo sexo e tapinhas, digamos assim.

Descobri algo que acontece no segundo, que eu não irei ler. Anastacia consegue dobrar Christian Grey, e ela já vinha fazendo isso no primeiro livro.

Ou seja… o que as mulheres mais querem num homem? Conseguir domá-lo, moldá-lo, transformar o cara em seu príncipe encantado.

Elas se veem em Anastacia.

E aí que… sinceramente, né gente? 2012 e as pessoas ainda não aprenderam a conviver com diferenças? Cadê a real felicidade de estar com alguém que se priva de suas vontades para agradar o parceiro? Que relacionamento vai pra frente assim?

Enfim, não estou aqui pra debater relações amorosas e sim pra dizer… CORRÃO PARA AS MONTANHAS – by Vilson – e não percam tempo com essa porcaria adolescente! rs


+ 50 Tons de Cinza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *