A grande contribuição de Glória Perez com sua Salve Jorge à sociedade

21 de janeiro de 2013 0 Por Endrigo Annyston

Salve Jorge, é sabido, não marca índices ótimos de audiência, tem os seus defeitos, mas mesmo assim é uma novela das nove. É a mais assistida do país e chega a milhões de lares brasileiros. O trafico de pessoas, especificamente de bebês e mulheres, tratado na novela é de enorme relevância e serve de alerta para muitos.

Quantos não são os pais que não podem cuidar dos seus filhos e os dão a alguém? Dão, muitas vezes, com boa intenção, porque conhecem aquela pessoa e por achar que a criança será bem encaminhada. A novela mostra claramente os caminhos, digamos, tortos que essa criança toma, virando um produto, sendo comercializada. Muitos ao verem a novela irão refletir que se querem dar uma criança para adoção devem procurar um órgão legal e não simplesmente entregar a criança para qualquer um. O mesmo vale para aqueles que querem adotar. Querem adiantar os tramites e agem mal ao pagar pelas crianças mesmo não sabendo a origem delas. Nem se dão conta de que aquela criança pode ter sido roubada de alguém. Aqui vale o mesmo conselho: procurar os órgãos competentes, independente da burocracia.  

O mesmo vale para o tráfico de mulheres. Quantas moças não sonham em ir para o exterior, sair de uma vida miserável, dar uma vida melhor para suas famílias? A novela mostra que muitas promessas são meras ilusões e que se deve ficar atento com o que parece fácil demais. Não sou ingênuo de achar que todos vão mudar de atitude por causa da novela, mas acho que pelo menos Glória Perez e sua Salve Jorge dão uma grande contribuição à sociedade ao trazer o assunto à tona, ao colocá-lo em evidência principalmente porque está sendo vinculado no produto mais popular da nossa tv: a novela.

Serve de alerta não só para prováveis vitimas, mas também para nossas autoridades, para que fiscalizem mais e se atentem para os vários casos mostrados na novela e que infelizmente acontecem com mais frequência do que imaginamos na vida real. Fico por aqui, um abraço e até a próxima.

* Gilmar Moraes