Ai que loucura! Ai que babado! Ai que… Batista!

6 de fevereiro de 2013 0 Por Endrigo Annyston

Ontem assisti pela primeira vez ao Luciana by Night. Não tinha feito isso em outra ocasião porque os convidados da apresentadora são bem desinteressantes. O que não ocorre com Narcisa Tamborindeguy.

Mas falo dela depois, antes, o talk show.

Li recentemente que Marcelo Carvalho, marido de Luciana e um dos donos da Rede TV, disse que a TV brasileira agora tinha um talk show de verdade ou que nunca tínhamos visto um talk show assim. Algo desse tipo.

Realmente, tudo ali é bizarro. A começar pela apresentadora.

Cê jura que ela é o David Letterman ou o Jô Soartes pra começar a atração fazendo humor, né? Acho que todo mundo fica com cara de tédio enquanto ela vomita seus gracejos. Ontem tratava sobre suas férias, reclamando o quão difícil foi viajar pra fora do país em meio a neve e tantos “tormentos”.

Acho que os funcionários da emissora, com salário atrasado, entendem completamente essa dificuldade. Ela tá perfeita pro Feira do Riso, do mesmo canal. É tão hilária que usam o efeito “claque” o tempo todo.

Depois, o que era aquele figurino? Estilo Bataclâ.

E é aí que entra Narcisa. Salvou a noite e o programa. Ai que tudo!

Essa criatura é única. Tem uma voz toda enrolada, como quem acabou de mamar todas. Total sentido ela fazer uma Amy Winehouse ainda mais louca que a original.

Aliás, a música “looooooouca” da novela combina com a socialite.

Tipo assim, Tamborindeguy não é uma Fernanda Montenegro, um Fernando Henrique Cardoso ou, sei lá, alguém que tenha algo a dizer. O conteúdo é zero, mas o humor é garantido.

Soltou pérolas do início ao fim. Salvou o Luciana by Night assim como salva o Mulheres Rica.

Engoliu a Gimenez. Salve, salve Narcisa!