Amor à vingança

Amor à vingança

26 de agosto de 2013 4 Por Endrigo Annyston

Marina Ruy Barbosa errou ao se comprometer em raspar o cabelo e depois ter voltado atrás, foi mimada e deu mais valor aos cabelos que a personagem. Isso é claro e não há como negar. Mas o que o Walcyr Carrasco está fazendo com a moça também não está correto. Queria dar um castigo, tudo bem, não tiro o direito dele, mas para isso bastaria a morte da personagem. Assim o assunto seria encerrado e ele não teria mais que trabalhar com a atriz que o desobedeceu.

Walcyr Carrasco não gosta de ser contrariado e ele mesmo disse que se o ator improvisou o personagem entra em coma. Um exagero da parte dele. Aliás, pensei que o autor estava brincando quando disse isso, mas pelo visto não. Vamos analisar o caso Marina Ruy Barbosa. Antes de morrer, Nicole, sua personagem, disse que era covarde em uma cena que não conseguiu cortar os cabelos, vingança 1. Depois veio a morte, que não estava prevista na sinopse, vingança 2. Depois de morrer virou alma penada, com direito a ser um fantasma quase mudo e a usar o mesmo vestido até o fim da novela, vingança 3. Sophia Abrahão, ex-rebelde, já de contrato assinado, entrará na novela para disputar o Thales com a Leila, detalhe a moça pintará os cabelos de ruivo, vingança 4. Pelo visto o Walcyr é Carrasco mesmo.

Por mais que tentem negar, fingir que está tudo bem, que nada aconteceu, é notável, pelo que foi listado acima, que não é bem assim. Ela errou, mas ele também está errando. Além de ser um autor renomado, é um homem vivido e está se vingando de uma menina que ainda tem muito o que aprender na vida. E tem um agravante: com o lencinho na cabeça e a maquiagem a personagem ficou bem caracterizada, dando a impressão de uma pessoa que realmente tinha câncer. Ou seja, raspar ou não o cabelo não faria tanta diferença. Para o Walcyr fica um conselho de um grande sábio chamado Seu Madruga: “A vingança não é plena, mata a alma e a envenena”. Fico por aqui, um abraço a todos e até a próxima.


* Gilmar Moraes