Ana Maria mostra, de novo, porque é admirável

Acompanho a apresentadora Ana Maria Braga desde os tempos de Record e a admiro como mulher e como apresentadora.

Por admirar é que fiz questão de deixar isso claro todas as vezes que falei que ela não merecia continuar na Dança dos Famosos. Sabe, se a gente fala A, entendem B. Já viu, né?

A admirei quando trocou o certo pelo duvidoso (Record pela Globo); por ter enfrentando uma “imprensa maldita” que a colava para baixo por perder audiência e não se deixava abater,

Admirei principalmente no momento em que tirou suas famosas luvas e desabafou. Me curvei diante dela pois em meio a tanto preconceito e falta de informação abriu o coração para o Brasil e revelou ter um câncer: se despiu de toda a vaidade e apareceu sem cabelos em rede nacional de TV.

Seguiu como uma mulher admirável nos dez anos em que foi malhada pelos veículos de comunicação que desde sempre previram e erraram sobre o fim do Mais Você.

E a admiro agora, quando mais uma vez reserva um tempo para falar com seu telespectador para desmentir a informação de uma revista que, pasmem, faz parte das Organizações Globo – ou seja, palmas para ela e para a emissora, que permitiu o desabafo.

Qualquer outra celebridade de meia tigela teria adorado ser capa de uma revista por qualquer polêmica medíocre verdadeira ou forjada que tenha se metido, a famosa “A Vida Alheia da vida real” que comentei aqui outro dia.

Mas Ana não precisa disso…

É uma das poucas apresentadoras com credibilidade total junto aos telespectadores e mercado publicitário, não a toa é uma das que mais fatura com merchans e diferente de outros não precisa vender produtos de qualidade duvidosa.

Ainda assim tem quem não precise e se sujeite a certas coisas porque adora ser capa de revista ou estar diariamente no EGO e afins.

Poderia ficar quieta, mas eu pergunto mais uma vez: a quem interessa os casos amorosos de Ana Maria Braga? Te interessa?

O que me interessa é sua vida profissional. Sinto muito, tenho minha vida e não preciso cuidar da dela.

Portanto, Ana Maria, mais uma vez eu tiro o meu chapéu para você e lamento profundamente a vergonha que é o jornalismo – especialmente o de celebridades – em nosso país.

Quer dizer, dentre as outras milhões de coisas que também diariamente nos envergonham.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *