A Árvore da Vida é um filme ao mesmo tempo interessante, estranho e confuso

A Árvore da Vida foi um dos primeiros indicados ao Oscar que fui assistir. E não aguentei, não entendia nada e me deu um sono sem fim.

Tentei de novo, pulei aqueles vinte minutos cansativos de som e imagem e segui adiante.

Consegui compreender um pouco mais a lógica adotada e a relação entre pais e filhos e os conflitos gerados especialmente a partir da perspectiva do mais velho, o mais revoltado.

Não foi possível entender tudo e, pior que isso, foi difícil chegar até o também complicado final. Estava quase capotando.

Esse longa tem uma narrativa muito difícil, não sei se precisava tanto.

Não entendi até agora qual a função de Sean Penn por ali. De qualquer forma, é um filme que não recomendo nem ao meu pior inimigo.

Boring total.

+ Brad Pitt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *