As bizarrices bizarras das novelas mexicanas

Desde que me entendo por gente gosto de novelas incluindo as mexicanas e de outras nacionalidades também. Sempre que o SBT exibe uma novela mexicana, podendo, acompanho. A primeira que assisti foi Carrossel. Assistia com os olhos de um garoto de oito anos, porque gostava da história, ou seja, na época eu não entendia de tv como entendo hoje. Mas uma coisa aconteceu ali que me deixou curioso: o Firmino era um senhor alto, magro, de cabelos brancos e mais para o fim da novela tornou-se: baixo, gordinho e de cabelos negros. Não entendia o porquê daquilo, já que já havia assistido novelas na Globo e nunca, nada igual havia acontecido. Só mais tarde é que foi saber que o ator fora substituído e mais tarde também pude constatar que, diferente da Globo, do SBT e das emissoras brasileiras, a mexicana Televisa não se importava muito com isso e se acontecesse alguma coisa com algum ator ou com alguma a atriz, durante uma novela, a emissora simplesmente os trocava por outros.

Sobre isso tenho algumas histórias para contar. A primeira é do ator Marcelo Buquet que era o protagonista adulto da novela O diário de Daniela, fazia o pai da protagonista. O ator foi pedir um aumento de salário, a Televisa não quis dar e não houve conversa ele foi demitido e simplesmente trocado por outro ator que era completamente diferente dele, para fazer o mesmo papel. A novela seguiu como se nada tivesse acontecido.

Um outro caso envolve a atriz Belinda, que foi protagonista de Cúmplices de um resgate, nessa novela ela interpretava cantoras gêmeas. Os pais acharam que a carga de trabalho era demais e também pediram um aumento de salário. Sem sucesso. A emissora mandou a atriz embora e a trocou por Daniela Lujan que fez as mesmas personagens e a trama também seguiu até o fim como se nada tivesse acontecido. Anos mais tarde ela voltou à emissora e ao lado de Alfonso Herrera, ex-Rebelde protagonizou a trama Camaleões. Parece que não ficaram mágoas.  Só uma vez é que explicaram a troca de atores. Na novela Emy, a menina da mochila azul uma atriz foi trocada por outra e explicaram dizendo que ela havia feito uma cirurgia plástica. Explicação fajuta, mas pelo menos dessa vez houve uma explicação. Esses são só alguns casos de troca de atores, há mais, parece que a pratica lá é quase comum.

Uma outra bizarrice que me chamou atenção foi na novela Abraça-me muito forte. Victoria Ruffo, grande atriz de Simplesmente Maria, A Madrasta e outras novelas de sucesso, já com mais de quarenta anos, por pura economia, fez o papel de uma moça de uns 17 anos e depois a representou na idade normal já que a novela era dividida em duas fazes. Não custava nada terem contratado uma atriz jovem para fazer o papel da Victoria Ruffo adolescente. Com essa mesma atriz, que é ótima por sinal, há pouco tempo aconteceu quase a mesma coisa. Na novela El triunfo del amor, gravada recentemente pela Televisa, mas que não foi exibida no Brasil, a atriz agora com quase cinqüenta fez o papel de uma mocinha também na casa dos 17 anos. Essa novela é um remake da venezuelana Cristal, que a Televisa já fez um remake: O privilégio de amar. O Sbt apresentou a mexicana e também fez um remake. Ou seja é o remake do remake.

A história também tem duas partes. Nas outras versões, inclusive na do Sbt, a atriz da primeira fase é uma e a da segunda fase é outra, mas nessa última versão, resolveram colocar a Victoria para interpretar as duas. O que soa ridículo, mas ao mesmo tempo pitoresco. Em Abraça-me muito forte colocaram umas tranças para que ela parecesse uma mocinha e depois quando se passaram mais de vinte anos simplesmente mudaram o cabelo.

Em Maria do bairro, Thalia e Itati Cantoral também interpretaram mocinhas e jovens senhoras, mas como elas eram de fato jovens suas mocinhas pareciam naturais e quando as personagens tornaram-se maduras a maquiagem, o figurino, o cabelo, realmente, nesse caso, fizeram com que as atrizes aparentassem ter mais idade. Só na cabeça dos produtores mexicanos é que uma senhora de quase cinqüenta anos pode interpretar uma mocinha de 17. Mas tudo são detalhes curiosos que tornam as tramas mexicanas peculiares, bizarras, mas adoráveis. Tem mais histórias, quando lembrar conto pra vocês. Hoje fico por aqui. Um abraço e até a próxima.

* Gilmar Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *