Beber, Jogar, Foder: Não recomendo!

10 de outubro de 2010 0 Por Endrigo Annyston
Eu ia super recomendar Beber, Jogar, Foder. Ia.
O primeiro bloco de capítulos que tratou sobre a bebedeira do personagem traído e abandonado pela mulher que quer “curtir a vida” foi muito bom, divertido e espirituoso.
Caso o livro tivesse seguido esse ritmo seria sim uma ótima pedida e poderia sim ser tido como uma versão masculina de Comer, Rezar, Amar. E a intenção realmente era essa.
E ficou na intenção.
O livro de Elizabeth Gilbert virou até filme protagonizado por Julia Roberts enquanto… bem, em Beber o autor até diz que recebeu a proposta para um filme, mas que vai falar do que????
A parte dos jogos foi um saco sem fim com ele descrevendo minuciosamente os jogos dos cassinos de Las Vegas.
E já que o livro tem a palavra “foder” no título você espera que seja no mínimo apimentado. Se você acha isso então fique esperando sentado.
Andrew Gottlier não foi capaz de dar nem um final interessante para o romance da história, você termina o livro e fica com cara de… é isso mesmo????
E o engraçado é que ele nos faz entender que é o marido de Gilbert “dando o troco”.
Ficou querendo.