CSP e um limite perigoso quando ultrapassado

16 de fevereiro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Ontem eu quase tive um siricutico assistindo ao Cante se Puder. É óbvio em que na maioria das provas do programa a gente já fica um tanto quanto agoniado pelos bichos que os concorrentes precisam pegar ou o sufoco que passam.

Mas ontem foi impossível não se colocar no lugar de Lady Lu e quase ter um troço com aqueles cães com cara de assassinos mordendo loucamente aquela roupa que ela usava.

Já estava vendo a moça pendendo demais pra um lado e o cão pegando seu pescoço ou cabeça e fazendo sei lá o que.

E quando ela caiu? Quase infartei.

Tinha mesmo a necessidade disso? E se o cão escapa? Se vai na plateia?

Insistiam que os cães foram treinados, mas desde quando podemos confiar 100% num animal quando não podemos fazê-lo nem com as pessoas?

Nem cachorro de estimação é tão confiável assim, já tivemos um em casa que me atacou e também a minha mãe. E teve a melhor das criações.

Se a “brincadeira”  não tivesse andado como o planejado, o resultado não seria apenas prejudicial ao programa e sim à emissora como um todo.

Acho que existem provas que podem trazer adrenalina e uma emoção muito louca ao convidado, como as demais apresentadas. Mas essa do cachorro o bom senso deixaria passar.