Carrossel versus intolerância religiosa

Carrossel versus intolerância religiosa

6 de maio de 2013 5 Por Endrigo Annyston

Ultimamente estamos vendo por aí uma onda de intolerância religiosa no nosso país. Nada parecido com o que acontece no oriente médio, mas preocupante para um país como o Brasil onde as várias religiões sempre se respeitaram ou pelo menos se toleraram. Mas vamos a Carrossel.

Há alguns capítulos me chamou muito a atenção a forma como Íris Abravanel e seus colaboradores lidaram com a questão religiosa. A avó do personagem judeu, Davi, estava muito mal no hospital e a turminha se uniu para ajudar o amiguinho. Aliás, essa amizade, essa cooperação sempre acontece entre eles o que por si só já é um bom exemplo, mas voltando ao assunto, a ajuda veio de uma forma interessante: Davi foi à Sinagoga encontrar com o rabino, falar de sua tristeza e fazer suas preces. Valéria, católica, reuniu-se na casa de Cirilo, evangélico, e junto com os pais do garoto oraram pela avó de Davi e por fim, depois, Cirilo, Mário, que não tem religião definida, e Valéria foram até uma igreja Católica onde rezaram pela senhora doente.

Tudo feito na mais perfeita harmonia e respeito um pela religião do outro. Carrossel mostra mais uma vez que não apenas diverte, mas que com exemplos claros e simples também educa.

A título de curiosidade: as preces foram ouvidas porque a avó do Davi conseguiu se recuperar e passa bem. Fico por aqui, um abraço a todos e até a próxima.

* Gilmar Moraes