Chaves: A merecida homenagem ao soldado para todas as batalhas

O SBT está fazendo aniversário: o fato já é mais do que conhecido, alardeado e celebrado, mas adivinha quem é o grande homenageado nesta festa? O seu velho coringa, jogador de todas as horas e soldado para todas as batalhas: Chaves.

Nas últimas semanas, quem teve a oportunidade de acompanhar os programas especiais do SBT se deu conta de quantas homenagens estão sendo reservadas ao menino de rua e suas aventuras na vila suburbana. Episódios perdidos sendo resgatados, episódios sendo encenados por elenco brasileiro, atores sendo procurados e entrevistados para reforçar uma memoria mais do que devida. Homenageá-los é apenas um reconhecimento justo por todos os serviços prestados e por todos os milagres que sua presença é capaz de ocasionar.

Sim, milagres: Estamos falando de uma atração que desde que entrou no ar só deu alegrias ao SBT, independente de tudo que possa ser dito a seu respeito. Trash, ingênuo e com um humor clichê, “El Chavo del Ocho” converteu-se em um sucesso que o faz merecer ser objeto de estudo. Aquilo que poderia ser uma atração datada com desfecho previsto com o fim de sua produção original, nunca teve um fim e provavelmente nunca terá. Mesmo possuindo características que jamais seriam permitidas em um programa dos tempos atuais, permanece como absoluto na memória afetiva de seu público, ganhando status de cult e conquistando cada vez mais público, garantindo uma renovação de fãs que parece inacreditável.

Além de ser um sucesso indiscutível, também tornou-se a marca registrada da emissora que o veicula. É praticamente impossível pensar em SBT sem lembrar-se de Chaves. Uma lembrança mais do que justa tendo em vista que o programa circulou em quase todos os horários disponíveis em sua grade volúvel e bipolar. Seja com ordens de simplesmente tapar buraco ou disputar de igual para igual com algum adversário nos números, Chaves transita e prossegue fazendo história por atingir seus objetivos e brigando com os gigantes sem qualquer problema em supostamente ser nanico. Segue com sua fotografia pobre, seus bordões imortais e memórias impagáveis de infância terna, sem se importar se todas as piadas já estejam decoradas a ponto de repetí-las enquanto as ouvimos em mais um reprise.

Ainda gostamos de ouvir o “foi sem querer querendo” de Chaves, de ver o Seu Madruga fugindo das cobranças de aluguel do Senhor Barriga e de todo amor de Dona Clotilde, do carteiro Jaiminho tentando a todo custo evitar a fadiga e suas lembranças de Tagamandápio ou dos pedidos incessantes de Quico atrás de sua bola quadrada. Gostamos e muito provavelmente nunca deixaremos de gostar. Talvez seja melhor nem tentar entender a razão de todo esse amor: muito melhor desfrutar disso enquanto pudermos, enquanto seus atores permanecem vivos e suas fitas antigas ainda são capazes de contar sempre a mesma história com ares de nostalgia.

 _________________________________________________

* Perfil: Emanuelle Najjar – Jornalista, formada pela FATEA em 2008, pesquisadora da área de telenovelas. Editora do Limão em Limonada (limaoemlimonada.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*