Coincidências…

25 de março de 2013 1 Por Endrigo Annyston

No dia a dia nos deparamos com várias coincidências, o que é normal, mesmo que algumas nos assustem. Mas nas novelas elas têm uma força ainda maior e são usadas com frequência por diversos autores.

Exemplos não faltam: Filhos perdidos, um dos maiores clichês, é tema recorrente na teledramaturgia. Num país enorme, com cidades pra lá de populosas coincidentemente esses filhos perdidos costumam cair justamente no mesmo núcleo de seus pais. Para ilustrar temos a novela mexicana O privilégio de amar que originou a brasileira Cristal, ambas exibidas pelo SBT. Abandona pela mãe, a protagonista, alguns anos depois, cai justamente na empresa dela e é hiper, super, mega humilhada por sua progenitora. Com tanto lugar para trabalhar a moça foi cair justo lá na empresa da mãe?  E casos de encontros assim são muito comuns nas novelas. Esse foi o que lembrei primeiro, mas é só forçar a memória que lembraremos de vários.

Outra coincidência muito comum ocorre quando há uma traição, um beijo roubado ou coisa parecida, quase sempre o ser traído aparece do nada para dá o famoso flagrante. Tem também as revelações: sempre há alguém na hora exata, no momento exato para ouvi las, com um detalhe: quem ouve geralmente é interessado na mesma, seja para bem ou para o mal. Salvamentos: sempre quando há alguém em perigo aparece um outro alguém para socorrer também naquele exato momento em que a vítima estava precisando.

E por aí vai, são muitas ”coincidências” e uma das últimas foi o Théo, de Salve Jorge, ser escalado para competir logo na Turquia. Coincidências existem, mas nas novelas elas são, digamos, providenciais. Ouso  dizer que os autores estariam perdidos sem elas e sem o tal do destino que é algo parecido, dois recursos que tanto os ajudam. Fico por aqui, um abraço a todos e até a próxima.

* Gilmar JM