Como será o amanhã? Responda quem souber…

11 de janeiro de 2010 35 Por Endrigo Annyston


Faz tempo que não temos uma conversa e preciso colocar algumas insatisfações para fora, seja para continuar ou por um ponto final.

As coisas não caminham bem há um bom tempo e os visitantes mais atentos desse espaço já perceberam.

Eu não estou satisfeito.

Um blog funciona como um canal de TV: é a porcaria que fatalmente causa interesse nas pessoas.

A conclusão disso vem dos comentários produzidos através de uma “porcaria”: se o debate girar em torno de uma crítica ao SBT ou Record, esse post é sucesso.

Se você “vira o disco”, poucos se interessam. Poucos mesmo.

As vezes faço um texto muito bacana, dou o melhor de mim, e a repercussão é mínima. Claro Endrigo, você não está falando dos assuntos já citados!

Aí a impressão que eu tenho é que o melhor de mim é ficar fazendo críticas pra gerar repercussão.

E esse não é o melhor de mim e muito menos o que eu quero pra mim.

Em momentos assim, quando o que eu julgo o melhor de mim não é valorizado, me irrito e me afasto do blog. E isso tem se tornado constante.

Por isso tenho adiado uma decisão mas infelizmente pra mim e pra vocês, terei de tomá-la. Não quero passar mais um ano de altos e baixos, um ano de irritação.

Em início de ano traçamos metas e eu pretendo evitar todo esse estresse em 2010.

Quero evitar, por exemplo, pessoas que se sentem no direito de vir me torrar o saco, com o perdão da palavra, cobrando coisas.

Eu faço isso porque gosto, porque me diverte, por já dividir minhas ideias com vocês há uma década.

Mas tem uma frase que diz “use como privilégio e não como um direito”.

Eu não tenho obrigações, deveres.

Sou jornalista, mas sou uma alma livre, com liberdade de pensamento. Eu não quero fazer o que vocês querem que eu faça e sim o que eu quero fazer. E não quero, portanto, bate boca com pessoas que se acham no direito de ditar regras.

Gosto e preciso da opinião de vocês que estão aí do outro lado, é uma troca. Mas tem gente que espera “carniça” pra comentar ou comenta quando é para me cobrar coisas. Pois para mim o internauta bom é aquele ativo, que me direciona, me mostra o outro lado da moeda.

Também tem os que dizem que eu fico mais tempo no Twitter que aqui. É verdade.

Eu tenho troca no Twitter. Se eu falo A eles dizem B ou C, sabe? Rola comunicação, diálogo, é instantâneo. Hoje o Twitter me dá mais prazer que o blog.

E se o blog está parado não é por culpa minha. Eu funciono de acordo com o retorno que vocês me dão.

E o que eu estou querendo dizer com tudo isso?

Vou continuar e vou atualizar de acordo com o retorno que eu tiver de vocês. Depois disso ainda restam duas opções.

Uma é tirar os comentários para eu parar de me irritar, e, a última, fechar as portas.

Não estou dando piti, não estou bravo. Cada um faz o que quer, certo? Apenas estou jogando limpo.

Quem fala aqui é uma pessoa que viu uma votação bonita como o “Trofèu” Raul Cortez e Yara Cortes ser desprezado, ou um post perguntando como deveria ser o final de Luciana ser debatido por meia dúzia de gatos pingados, mesmo eu tendo dito que gostaria muito de saber a opinião de vocês.

Agora, se vocês não comentam o que é proposto, que direito tem de cobrar que eu faça isso ou aquilo?

Não, não vou falar de Dalva, final de Caras & Bocas e nada do que aconteceu nos últimos dias. Aliás, tudo isso foi comentado no Twitter, com o pessoal que tem feito bons debates comigo.

Sabe, antes de cobrar algo de alguém, temos que nos cobrar.

Eu mudei o visual desse espaço, abri inúmeros posts na seqüência. Pra quê? Tinha post com um, dois comentários.

Portanto, a partir de agora, o blog funcionará de acordo com o que eu sentir de vocês. Voltar aos bons tempos, como vocês me cobraram, depende muito mais de vocês que de mim.

Ah, e por favor, os ditos “bons internautas”, nada disso que foi dito serve para vocês, que me acompanham e me deram e dão tanto carinho em todos esses anos. É por vocês que eu mantive esse espaço até hoje.

Grato,
Endrigo.