CORDEL ENCANTADO – Jesuíno descobre que é da realeza de Seráfia

As visões de Miguézim (Matheus Nachtergaele) começam a fazer sentido. Depois de confirmar com Efigênia (Berta Loran) a ascendência real de Jesuíno (Cauã Reymond), o profeta e a rainha pegam uma carroça e vão atrás do rapaz, a fim de explicar as rimas desse cordel. Eles encontram Jesuíno na estrada e tentam convencê-lo de sua nobreza, mostrando o pergaminho que comprova seu parentesco com Serafim D’Ávila, fundador de Seráfia.

Jesuíno não acredita no que lhe dizem, e o profeta sugere que eles sigam para a igreja de Vila da Cruz, onde poderão conversar com calma. Ao chegarem, a rainha conta a história do ex-governador de uma capitania hereditária que se casou e teve um filho no Brasil. Efigênia explica que durante um ataque dos franceses, a família se perdeu e, apesar dos esforços de Serafim, sua esposa e filho não foram encontrados. Foi então que ele voltou para a Europa e fundou Seráfia. Precavido, D’Ávila deixou um tesouro enterrado em Brogodó junto com um documento no qual afirma que a fortuna deve ser entregue ao seu filho ou seus descendentes, neste caso, Jesuíno.

O rapaz reage surpreso, mas acredita no que dizem a rainha e o profeta. “Tu deves cruzar o oceano e trazer Açucena de volta. Porque tu, Jesuíno, é o rei que deve colher a flor!”, afirma Miguézim.

As cenas foram gravadas na Central Globo de Produção, no Rio de Janeiro, e estão previstas para ir ao ar a partir de hoje, dia 17. ‘Cordel Encantado’ tem autoria de Thelma Guedes e Duca Rachid. A direção de núcleo é de Ricardo Waddington, direção geral de Amora Mautner e direção de Gustavo Fernandez, Natália Grimberg e Thiago Teitelroit.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*