Crise na dramaturgia da Record. Crise?

17 de fevereiro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Essa semana o CENAABERTA publicou um post em que fazia menções a uma suposta crise na teledramaturgia da tv Record. O site usou como base de argumentação o fato de alguns artistas terem deixado a emissora e o  fato de ter havido redução na produção com diminuição de conteúdos exibidos. Fez também menções à notas publicadas na imprensa sobre decisões futuras da emissora. Notas estas, feitas me parece, na base do chute. Explico: tem jornalistas (e a mídia está abarrotada deles) que lançam uma nota na imprensa e espera-se os resultados. Confirmando, legal; não confirmando ninguém nem vai lembrar disso mesmo. Bola pra frente.

EXISTE  MESMO UMA CRISE NA DRAMATURGIA DA RECORD?

Tudo bem, é certo que nesse espaço de tempo que compreende o lançamento da teledramaturgia da RECORD, muita coisa aconteceu. Se formos pegar o curto período de tempo em que a Record chegou a transmitir três novelas simultaneamente até se pode dizer que houve um recuo nas produções. Ocorre que ALTA ESTAÇÃO (que foi de fato um fiasco), foi abortada já no longícuo ano de 2007. De lá pra cá não se tem notícias de que houve uma queda nos conteúdos produzidos pela emissora. Sempre trabalhou com 2 tramas simultâneas.

AUDIÊNCIA:

É bem verdade que a Record sofreu um baque grande após ter chegado ao ápice, em 2009, onde suas novelas marcavam com facilidade médias em torno de 16 pontos ou mais. MUTANTES e CHAMAS DA VIDA foram as duas últimas produções que renderam a Record esse números de audiência. De lá pra cá houve uma queda nos números que viriam se estabilizar com médias em torno de 11 pontos. No caso das produções exibidas em parceria com a Televisa como Bela, a feia e REBELDE é bem certo que a audiência é baixa, mas há uma compensação com licenciamentos e repercussão através da banda criada, no caso de REBELDE especificamente.

FUGA DE ATORES:

É certo que a Record perdeu alguns bons nomes adquiridos ao longo do tempo, porém, embora não na mesma proporção não dá pra ignorar que nesse espaço de tempo outros bons vieram pra emissora contribuindo para, se não pra equilibrar, ao menos para atenuar a perda. Destaco nomes como Beth Goulart,  Bety Lago e Mel Lisboa. Acredito que essa fuga de atores da emissora se deve mais ao fato de mudança de política na Globo ocasionando uma abertura nesse mercado. A Globo ao aceitar ex-artistas  estava óbvio que haveria esse trânsito interemissoras. Ao mesmo tempo que isso facilita a ida de atores da Record para a Globo também facilita o caminho inverso. Além de tudo é uma situação saudável para os artistas uma vez que acaba-se com as famosas geladeiras.
 
MINISSÉRIES:

A RECORD  parece estar encontrando um nicho interessante da dramaturgia: as minisséries. A emissora vem conseguindo audiência razoável com a série bílbica O REI DAVI e parece estar bem animada com os números, sobretudo porque a coloca na liderança, objetivo maior perseguido. É certo que a emissora já vem de alguns anos transmitindo esse produto e que ele é muito pouco para que se obtenha uma melhor circulaçao de atores, autores e demais profissionais envolvidos. Mas esse ano está sendo inédito porque a emissora está produzindo duas minisséries. CHAPA-QUENTE minissérie de Marcílio de Moraes prevista para entrar no ar após O REI DAVI, vem a somar. E sobretudo demonstrar que a dramaturgia da RECORD está bem ativa. E lutando com as armas que tem. Seja com espadas, seja com fuzil AR-15.

PRA ENCERRAR: Pelo que foi exposto acima é que acho que a dramaturgia da Record não está em crise. Ante bem longe disso. Embora não esteja passando pelo seu melhor momento, a emissora dá sinais que deve continuar firme nessa luta. Notícias especulativas que surgem na imprensa devem ser tratadas assim mesmo: especulativas. Não estou aqui a dizer que pessoas estão inventando notícias ou algo assim. Trata-se de uma análise observando os movimentos no xadrez. E os movimentos, parece-me, não indicam  o que dizem. Posso estar errado??? Sem dúvidas, afinal quem é que sabe o que realmente se urde nos bastidores de uma emissora???

Fico por aqui, um abraço e até a próxima.  

* por Ary Nunes, ombudsman