ENEM: O caminho das pedras em direção a… onde mesmo?

13 de novembro de 2010 0 Por Endrigo Annyston

por Emanuelle Najjar

E eis que chegamos naquela fase de neuras que acontece com dez entre dez adolescentes: fase de decidir  futuro, com aquele velho e costumeiro dilema sobre “o que fazer do resto da vida”. E desse modo, a neura dos vestibulares chega ao limite. Por todos os lados vemos jovens a ponto de uma pane no cérebro devido às cobranças, seja pela realização de seus próprios sonhos ou do sonho dos outros.

É também nessa fase que o ENEM desse ano virou um #MEGAFAIL. Como se não bastasse ser uma prova de resistência – desde o número de questões até mesmo a proibição de lápis, borracha e relógio – ainda tem a gigantesca pressão psicológica. Imagine a pressão por um futuro que as vezes pode depender do resultado desse exame? A ideia de perder um ano de sua vida – por mais que isso pareça drama na maior parte das vezes – por erro alheio?

Não, não é  como culpar o acaso ou o destino dizendo para si mesmo que “não era pra ser”. Que tal algo como falhas graves durante a impressão do caderno de provas e nas folhas de resposta? Caramba, não estamos falando em uma provinha qualquer da escola onde é só passar um corretivo e o problema está resolvido. O ENEM é um exame que, por diversos aspectos, está se tornando mais tortuosa que a o caminho das pedras em busca de um emprego público. Estamos falando de coisa séria!

Até ontem, 13 de novembro falavam em anulação da prova, alegando que os erros causariam flagrantes desigualdades entre os candidatos. Até aquele momento os gabaritos sequer podiam ser divulgados. Hoje, foi decidido que as provas valerão, e os alunos que se sentirem prejudicados podem requerer outra correção, devido aos problemas com gabarito e até mesmo com a possibilidade de reaplicação da prova para alunos que responderam as questões do caderno amarelo, que foi a causa de todo o problema.

Tudo bem, o pior dos problemas foi resolvido mas e agora? Como fica a credibilidade do exame ao enfrentar problemas pelo segundo ano consecutivo? Afinal, ano passado foi o vazamento das questões que rendeu o bafafá. Ok, errar é humano, mas agora temos uma segunda vez. Um erro grave que além de prejudicar os estudantes que estão ralando para ter um futuro, prejudicam a imagem de uma instituição.

Será que precisam de uma terceira avacalhação para que olhem para os estudantes com mais respeito?

 ________________________________________________

* Perfil: Emanuelle Najjar – Jornalista, formada pela FATEA em 2008, pesquisadora da área de telenovelas. Editora do Limão em Limonada (limaoemlimonada.com.br)