Enquanto a concorrência dorme, a Globo se reinventa

Enquanto a concorrência dorme, a Globo se reinventa

11 de junho de 2013 6 Por Endrigo Annyston

Num passado não muito distante a TV Globo viveu uma crise histórica na faixa das 19h. A novela “Bang Bang” era fracasso de crítica e audiência, a “Salve Jorge” de 2005. A Record se aproveitou da dificuldade da concorrente e fez de “Prova de Amor” um grande sucesso. A novela de Tiago Santiago abalou as estruturas da poderosa.

Mas não teve fôlego. A Record não conseguiu se manter em evidência naquela faixa com “Bicho do Mato”, só voltou a incomodar com “Os Mutantes”. Enquanto isso a Globo retomou os telespectadores perdidos.

Ano passado, nova crise. Apesar de bem aceita pela crítica, “Lado a Lado” registrou a pior audiência da história da emissora na faixa das 18h. “Guerra dos Sexos” foi pelo mesmo caminho, com a vantagem de começar criticada e conseguir crescer com o tempo. O pior ficou para a já citada “Salve Jorge”: a crítica foi ferrenha do início ao fim.

Com três novelas carregando a pior audiência em quase 50 anos  de TV Globo, a Record não mexeu seus pauzinhos para novamente se aproveitar da crise vivida pela vênus platinada. Dessa vez o canal dos bispos compartilhava os baixos índices: desde “Máscaras” não tem um folhetim com dois dígitos.

Curioso é que nesse período a única emissora com motivos para comemorar no segmento foi o SBT, com “Carrossel”. Ainda assim sem fôlego para tentar ultrapassar a Globo ou dar sustos como os da versão original, que brigou de frente com o “Jornal Nacional” há duas décadas.

Sem concorrência, a Globo encerrou as três produções e está conseguindo recuperar parte do público perdido. “Flor do Caribe”, “Sangue Bom” e “Amor à Vida”, além de elevar os índices do canal, também agradaram a imprensa.

Resumo da ópera: apesar de líder absoluta, a Globo não é perfeita, mas, diferente das demais, consegue se restabelecer após crises de audiência.  Uma verdadeira Fênix!