#Esquenta: a alegria da simplicidade

26 de março de 2011 0 Por Endrigo Annyston

Esquenta: tem a ver com verão, com calor humano e aquilo que a maioria das pessoas costumam considerar tudo que há de bom na vida. Talvez o nome certo para um programa que busca reunir tudo isso na disputa pelo público em uma data ingrata para a Vênus Platinada.

Tendo a esfuziante Regina Casé como apresentadora, Esquenta reuniu música, personalidades, comida e muita farofada. Farofada no bom sentido, ok? O sentido divertido: de bagunça e muita festa. Escrevo já no passado porque em breve o programa encerrará sua temporada. Já há uma pretensa data marcada para sua volta, mas isso não nos impede se sentir saudades antecipadas e adotar um certo tom saudosista.

Ok, uma grande parte das atrações não faz o mínimo gênero dos meus gostos. Por exemplo: em uma situação normal, Parangolé estaria fora de qualquer cogitação, mas Esquenta é como aquele churrasco bagunçado do fim de semana. Perdoa-se quase tudo.

Tá, eu sei que o programa desperta reações e teorias complexas a respeito de sua função no ar, mas não dá pra ignorar seu efeito sobre o telespectador. Mesmo que eu passe longe de ser uma telespectadora fiel, já que as possibilidades da internet fazem muito mais a minha cabeça que as da televisão, devo dizer que seus méritos não são passíveis de fechar os olhos e fingir não ver. Dei o exemplo do churrasco, mas pode ser a feijoada do mês ou então um daqueles momentos felizes das férias ou dos dias de carnaval onde estamos descontraídos: aptos o bastante para ignorar nossas preferências do dia-a-dia.

Estamos falando de um programa cuja fórmula é bem simples. Não há métodos mirabolantes para ganhar números. Vi aquilo que é popular, vi alegria especialmente na pele de quem estava ali presente, mesmo naqueles cuja fama poderia causar desconfiança do público quanto sua sinceridade.

Francamente? Gostei do que vi e espero que volte ao ar mesmo. Só não garanto minha fidelidade. Afinal, fidelidade de telespectador em tempos de internet parece ser um conceito em extinção…

_________________________________________________

* Perfil: Emanuelle Najjar – Jornalista, formada pela FATEA em 2008, pesquisadora da área de telenovelas. Editora do Limão em Limonada (limaoemlimonada.com.br)