Programa do Porchat tem que fugir da falta de criatividade que domina os formatos de entrevistas

Programa do Porchat tem que fugir da falta de criatividade que domina os formatos de entrevistas

3 de setembro de 2016 0 Por Endrigo Annyston
A estreia do Programa do Porchat nesta quarta-feira tem que ter dois focos: mostrar a que o talk show veio e fugir da falta de criatividade.
Hoje as atrações do formato estão dominando a tv, assim como os realities de culinária. Mas ninguém ganha com mais do mesmo.
Exemplo: Pedro Cardoso foi no Gugu – se não me engano foi o primeiro em que ele deu entrevista depois de sair da Globo -, criticou a antiga emissora e virou arroz de festa.
Todo mundo quis se aproveitar disso, esperando que ele voltasse a falar mal da platinada. Por isso, passou por diversos programas.
E assim tem sido a vida de entrevistadores: repetir convidados, assuntos. Chover no molhado. Porchat estreia com Sasha, um trunfo, mas o difícil é, em formato diário, não insistir nos mesmos participantes, histórias…
A questão é que Fábio tem algo a seu favor: se ele repetir o Tudo Pela Audiência, apostando mais em brincar com o convidado e plateia, mais que outra coisa, pode ter um diferencial.

O humorista é ótimo no improviso, tem carisma e as chances de conquistar boa pontuação no ranking do início da madrugada são grandes.
No mais, Fábio Porchat entra no ar com a benção do melhor apresentador do segmento, Jô Soares, que lhe desejou sorte no meio do Programa do Jô desta terça-feira. É o cara!