Existem programas brasileiros bons?


Se analisarmos de modo geral, de qual forma seria vista a TV brasileira como um todo? Sentiríamos vergonha ou orgulho do que temos para assistir diariamente? A programação é quase a mesma há vários anos, o que muda são os cenários ou as histórias (em se tratando de novelas), mas a essência está ali. E no meio de tantos realitys que foram importados e adaptados ao país e programas também, existem aqueles genuinamente criados aqui e que podemos elogiar e nos sentir enaltecidos? Sim.

Regina Casé conversa com todas as classes não é de hoje. Mas há muito tempo não emplacava um programa, e não um quadro do “Fantástico”, e conseguiu isso de maneira original e única com o “Esquenta!”. O melhor disso tudo é ver a existência do retorno: o programa consegue audiência superior a soma dos canais que ficam em segundo e terceiro lugar, isso no domingo no horário de almoço. Ali são mostradas todas as facetas do país, sempre tendo espaço as mais diversas culturas e regiões. É sim notado que a periferia e o subúrbio são predominantes, seja pelo funk e pagode que se tornou lei toda semana, ou pela platéia.

Mas ai está um ponto alto: enquanto programas de auditório escondiam esse nicho ou eram mostradas de maneira constrangedora como acontece no “Casos de Família”, Regina resolveu mostrar e dizer que sim, isso faz parte do país e não adianta esconder, as pessoas precisam e serão mostradas. Está ai o resultado: um programa leve, bem humorado, que está sempre tratando em meio à descontração problemas sérios enfrentados como a violência no trânsito, inclusão, preconceito e etc. Mais um acerto da Rede Globo, e que o “Esquenta!” permaneça muito tempo no ar, o domingo carece de bons programas.

Roberto Cabrini já venceu o Prêmio Esso e Tim Lopes entre os tantos que conquistou em sua carreira. Já foi correspondente de guerra, mas foi no jornalismo investigativo que descobriu sua grande vertente. Após um tempo patinando na audiência e mudando na grade da programação, o “Conexão Repórter” vive a sua melhor fase. Ali assistimos casos polêmicos e tratados de maneira direta e muito bem apurada. Sem sensacionalismo, o fato e os desdobramentos dele são expostos em programas que muitas vezes demoraram meses, quase um ano para serem realizados.

Milimetricamente são recolhidas e investigadas as informações que resultam em até grandes denúncias, como foi o caso do Hospital Psiquiátrico de Sorocaba (SP) ou a pedofilia em uma igreja católica localizada em Arapiraca (AL), ambos rendendo processos e condenações. Merece atenção e notoriedade.

Ano passado tivemos uma das melhores jornalistas virando apresentadora de um programa de entretenimento. Fátima Bernardes começou com o seu “Encontro” de maneira confusa e morna, quase desinteressante, hoje não podemos dizer o mesmo. O programa é gostoso de assistir, se tornou realmente um encontro agradável, leve, onde são discutidos diariamente assuntos diversos, em meio à música e humor.

A apresentadora tem carisma e simpatia, divide com o telespectador e convidados detalhes também de sua vida, trazendo proximidade com quem está do outro lado e conseguindo fazer com que aquilo saia do didatismo, tem mais a ver com uma conversa do dia a dia. É quase irresistível não parar na frente da TV e participar daquele bate-papo que na maioria das vezes é sobre algo que possa incrementar ou aumentar as informações que temos sobre determinado assunto.

A nossa TV apesar de infestada de séries americanas, realitys de outros países, filmes e programas de origem estrangeira, consegue ter também os seus atrativos criados no país. A essência em si muitas vezes é a mesma, mas a forma e a realização dela faz toda a diferença.

*Guilherme Rodrigues




4 comentários em “Existem programas brasileiros bons?”

  1. Váriosa programas podem se r considerados bons:Esquenta, fantástico,jornal nacional.Muitos podem me criticar,mas gostava do humor dos "caras de pau",pena que a globo acabou c/ o programa.Espero que volte.

  2. Uma das coisas mais insuportáveis do Esquenta é aquele comportamento idiota de pessoas que aparecem ali no programa de vez em quando fazendo aquele gesto ridículo e imbecil de fazer coraçãozinho com as duas mãos, além de ser um gesto totalmente idiota e cafona e que infelizmente virou moda, é uma tremenda (me desculpem pelo termo grosseiro) viadagem, afinal, pra se demonstrar que uma pessoa tem amor por alguém ou alguma coisa, não é preciso sair por aí fazendo coraçõezinhos idiotas com as duas mãos. Pode-se demonstrar esse sentimento com maneiras bem melhores e mais inteligentes que esses malditos CORAÇÕEZINHOS FEITOS COM AS DUAS MÃOS. Por favor, né???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *