Flor do Caribe: Por fora, bela viola, por dentro, pão bolorento

14 de março de 2013 5 Por Endrigo Annyston

Minha avó sempre dizia isso e serve para várias ocasiões. Tipo para a pessoa que é linda de viver e tem uma cabecinha pequena, pequena. Sabe como?

Bom, até serve nesse sentido para Flor do Caribe também. Elenco repleto de rostos bonitos, corpinhos em dia e… atuação que é bom, nada!

Mas a questão é outra, e relativa a novela em si. Belas imagens de paisagens, elenco bonito, uma fotografia realmente impecável, de encher os olhos.

E cadê a história?

Eu acho que é preciso ter muita, muita coragem para dar a cara a tapas na atual fase da TV brasileira sem ter algo para contar.

O pessoal da antiga está refazendo suas novelas sem acrescentar nada e, o resultado, é que o público não se sente atraído. Não existem novidades.

Quer dizer, existe sim uma atração nesse sentido, só que… pelas novelas do Viva! Já que é pra viver de passado, que seja realmente conferindo uma obra que valha a pena.

Cabe avaliar um outro detalhe: pior o autor que entrega uma sinopse sem atrativos ou a emissora que aprova?

Será que estamos assim tão carentes de boas histórias? Duvido, os novatos provaram que são capazes de promover essa renovação necessária na teledramaturgia.

Devo dizer, por fim, que desde o início sabia que não deveria esperar nada de Flor do Caribe.

Não tem um bom argumento e o elenco não ajuda.

Walter Negrão vai ter que ralar para, ao menos, ter prestígio junto a crítica como Lado a Lado, já que a audiência…

Mais uma coisa: se os acontecimentos previstos pra hoje tivessem ocorrido na estreia, acredito que teria chamado a atenção de um número maior de telespectadores. Dormiram no ponto.