Glória Perez salvou América, mas ficou em dívida com Jorge

“Salve Jorge” está saindo do ar sem deixar saudade. O tipo de novela que a Globo vai fazer questão de esquecer e que o público provavelmente só se lembrará por conta da questão do tráfico de mulheres.

O único ponto positivo do folhetim, diga-se de passagem. É preciso ressaltar a importância dessa discussão e celebrar as vitórias conquistadas através de Morena e sua trupe.

Neste caso, chovem elogios para Nanda Costa, Giovana Antonelli, Dira Paes e especialmente para Carolina Dieckmann e Totia Meireles.

A primeira por Jéssica ter sido um divisor de águas em sua carreira, longos anos depois do show que deu em “Laços de Família”. Desde então a atriz não estava se empenhando no mesmo nível, foi até limada de “Passione”.

Já Totia, finalmente teve seu talento reconhecido e ganhou uma personagem a sua altura. Wanda é uma vilã tão bem construída que até apagou a Livia de Claudia Raia, que tinha ares de Jessica, do longa animado “Uma Cilada Para Roger Habbit”. Wanda dominou geral.

Mas há um porém. Enquanto os citados celebram o bom momento da carreira, grande parte do elenco ou fez escada ou simplesmente sumiu de cena.

Grandes nomes da teledramaturgia como Nivea Maria, Stênio Garcia, Nicette Bruno, Eva Todor, Rosi Campos, dentre outros, foram meros figurantes.

Glória Perez quis escalar a Arca de Noé e não deu conta do recado. Pior: não aceitou críticas.

Fez birra no Twitter a cada nova cobrança que recebia, seja por conta de sequências sem sentido, atores sumidos ou audiência que não reagia. Para tudo ela arrumou uma desculpa.

Além, claro, de apelidar os que não gostaram de seu folhetim de “bonde do recalque”.

Criou inimigos, virou motivo de deboche e, pior de tudo, sai de cena carregando o título de pior audiência da história da Globo na faixa das 20/21h. E isso depois de ter levado o Emmy por “Caminho das Índias”.

Cabe uma ressalva. Glória Perez, com humildade, conseguiu reverter a estreia complicada de “América”, na década passada. O folhetim sofreu rejeição e a autora soube reinventar a história, deu a volta por cima. Dessa vez ela não ouviu ninguém, apenas os que a elogiavam. Curioso isso. Julgou estar certa e foi assim até o fim.

O problema, opinião da coluna, foram as redes sociais. A autora quis bater de frente com quem criticava seu trabalho, ao invés de tentar avaliar se havia algum fundo de verdade, uma crítica construtiva. Será que não havia nada produtivo no que os internautas diziam?

O Twitter é instantâneo, faz com que o autor não precise esperar pelos famosos “grupos de discussão”. Com audiência em tempo real e diversas opiniões nas mãos, é mais sensato reavaliar o rumo de uma telenovela, aumentam as chances de acertar.

Dessa forma, ao menos por parte da coluna, “Salve Jorge” termina como uma decepção. Teve uma estreia excelente, com porte de superprodução, mas Glória não deu conta do recado.

Quem sabe, numa próxima, ela aprenda a ouvir. E a dividir. Tanto Glória quanto Manoel Carlos precisam aceitar dividir o comando de suas histórias.

Jorge não foi salvo, mas você ainda tem chance, Glória! Aceita que dói menos.

Agora só nos resta mentalizar, por volta das 23h, Galvão Bueno berrando “acaboooou, acaboooooou”, no melhor estilo final de Copa do Mundo, cujos vitoriosos somos nós, telespectadores. E torcer pra que a situação se reverta com “Amor à vida”, cujas chamadas já são melhores que qualquer capítulo de “Salve Jorge”.




* Originalmente publicado em A TV em Cena

4 thoughts on “Glória Perez salvou América, mas ficou em dívida com Jorge

  1. Glória tinha que fazer mais sucesso ou manter o sucesso que fez "avenida Brasil".Não conseguiu.Que sirva de lição p/ as próximas.Novelas c/ menos atores,menos núcleos e mais tramas,que é isso que o povo gosta.

  2. novela ame´rica linda,linda dava um ibope maravilhoso e por sinal estourou no pais todo,eu tinha 8 anos de idade naquela e´poca teve a floribella brasil ou floricienta como a nossa tb e´ conhecida.esta ultima explodia no ibope com 5 pontos dia´rios parebens bandinha maravibella!!!

  3. Alguém sabe me dizer se o Jonas Mello chegou a aparecer na novela? Foi até noticiado que ele substituiu o Lima Duarte e que seu personagem seria padrinho do Théo, mas eu nunca o vi na novela.

  4. O Jonas Mello apareceu duas vezes. Eu vi. Salve Jorge foi uma boa novela, a história foi muitas vezes empolgante, assisti, gostei e não vejo como foi dito no texto. O pior mesmo e aí concordo foi escalar e depois não usar os atores. Ou até usar alguns para papeis insignificantes. Isso ela precisa corrigir urgente, mas de resto já vi novelas e das nove bem piores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *