Hebe, Silvio Santos, SBT: Tudo termina bem

30 de setembro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Tenho assistido parte das homenagens do SBT à rainha da TV brasileira, Hebe Camargo. Não esperava menos dessa que era a casa da apresentadora, a emissora onde construiu a melhor parte de sua história televisiva. A casa onde eu a conheci e passei a admirá-la.

Uma mulher como poucas, exemplo para muitas. Seja pela alegria de viver ou garra demonstrada em seus últimos anos de vida.

Mas o que eu quero dizer, neste momento, é que estou feliz, não apenas pela cobertura belíssima que a emissora tem feito, ontem com o Roberto Cabrini, com a reexibição do especial Romeu & Julieta, o enterro pela manhã ancorado pelo Carlos Nascimento – li sobre isso nas redes sociais – ou essa deliciosa homenagem feita por um arrasado porém guerreiro Celso Portiolli.

Estou feliz porque Hebe partiu em paz. Ela saiu do SBT após um desgaste na relação dela com a emissora e Silvio Santos. Isso ficou evidente no Teleton quando Silvio não lhe tratava com a mesma atenção de antes, obviamente chateado porque a comunicadora tinha migrado para a Rede TV.

Tenho lido alguns amigos de Hebe dizendo que sabiam que ela não re-estrearia no SBT. Pensando sobre isso, conclui que talvez algo me dissesse que seria assim. Em momento algum, seja no Cena ou em redes sociais, eu celebrei esse retorno ou fiz qualquer comentário.

Vinha acompanhando fotos da loura no Twitter e via, claramente, que estava muito debilitada, nem a maquiagem escondia. Eu meio que também esperava essa partida.

E aí que eu conclui o seguinte: Silvio Santos partiu do mesmo princípio. Graças a Deus existiu essa aproximação entre os dois, essas conversas que culminaram no retorno de Hebe ao SBT, o resgate da amizade.

Acho muito triste você ver uma pessoa partir sem que pudesse ter a chance de lhe dizer tudo o que gostaria e, especialmente, desfazer mágoas. Quem sabe era o que estava faltando para que ela pudesse partir em paz?

E foi assim, o laço foi restabelecido, todos celebraram e Hebe partiu. Tranquila. Ganhou até o selinho que tanto pediu.

E eu jamais ousaria criticar esse carinho de Silvio Santos.

Assim como sou só elogios ao trabalho desempenhado pela equipe da emissora, que tem privilegiado momentos de alegria e descontração da animadora. Do jeitinho que eu quero me recordar dela, esbanjando vitalidade.

Fica, inclusive, uma dica para todos nós: não deixemos para amanhã o que pode ser feito hoje.

Dar o primeiro passo, o “braço a torcer”, é uma qualidade que vale a pena ser trabalhada!