Insensato coração: E quando a protagonista morre?

O Fantástico exibiu uma reportagem falando sobre vingança baseada na história de Norma, e os autores Gilberto Braga e Ricardo Linhares chegaram a dar opiniões sobre a personagem, Gilberto Braga chegou a dizer que “Desde que ela aparece no início como vítima, eu acho que a gente sente o sopro da tragédia. E provavelmente nós vamos optar por um final trágico para ela”. E foi exatamente isso que o público conferiu nesta terça-feira (16/08).

Glória Pires fechou um ciclo muito bem construído de uma mulher que morreu por não conseguir controlar seus sentimentos, confundir e acabar traindo a si mesma, voltando a ser enganada e iludida. A técnica de enfermagem que vimos no começo, triste, abatida, sem nenhuma vaidade, acabou tendo uma vida pior do que já tinha. Foi presa injustamente, matou para sobreviver e cometeu vários erros até conseguir chegar ao seu objetivo: encontrar quem tanto lhe fez mal e fazer com que pagasse por tudo aquilo. Mas como o próprio nome da novela diz, foi completamente insensata e não conseguiu se vingar, acabou sendo enganada novamente e no fim pagou com a própria vida por tanta ilusão. Os autores poderiam ter seguido a linha racional, fazendo com que ela se vingasse e seguisse a diante com sua vida. Mas este desfecho desde o começo não combinava com a trama, Norma era frágil, facilmente enganada, e nem uma rasteira violenta a fez cair em si. Sobram elogios a cena que Léo é desmascarado mais uma vez, teve falas como “Você sempre foi isso, um animal que mostra os dentes quando senti cheiro de sangue. Um bicho carniceiro, uma hiena que escolhe aquela vitima mais frágil que já está quase morta, e enreda e vai matando devagar”. Norma acabou por se definir em uma das suas últimas frases.

O que nos resta é elogiar mais uma vez o excelente trabalho realizado por Glória Pires junto a Gabriel Braga Nunes e esperar a resolução do “quem matou?”, que como sempre teve acabar sendo no último capítulo.

* do internauta Guilherme Rodrigues do blog Espaço Opinativo 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*