Melhor que Glee. Que Girls. Que The Carrie Diaries.

São três séries teen. As duas primeiras lidam com o preconceito.

Glee, desculpem os fãs, mas, para mim, é bem boboca. Girls teve uma excelente primeira temporada, venceu diversos prêmios e retornou bem meia boca.

Queria saber, aliás, onde que essa série deveria ser classificada como “de humor”.

E aí que me deparei com My Mad Fat Diary. Diversas vezes vi algo sobre a série e pensava “acho que deveria assistir”. Segui assim por alguns dias.

Deu pra fazer uma quase “maratona” dos episódios, são apenas seis nessa primeira temporada. E já foi renovada para uma segunda leva.

Sharon Rooney interpreta Rae, uma jovem cheia de complexos consigo mesma. Tantos que já tentou se matar.

Tem sérios problemas com a balança, no entanto, apesar de não se achar bonita/magra, não faz o menor esforço para mudar isso.

Quer dizer, até fez: em um único dia achou que emagreceria o suficiente para ir para a cama com o cara com quem decidiu ter sua primeira vez.

Tem uma mãe tão desestruturada quanto ela, também com problemas com o peso. Um padrasto que não fala sua língua, o que não ajuda muito.

Dois amigos da clínica em que estava internada, mais seu psicólogo. Agora, vejam só, o cara também é problemático.

Fez amizade com os amigos de sua melhor amiga da infância, Chloe. E se apaixonou por um deles, curiosamente o mesmo cara que Chloe também desejava.

Em dado momento é possível visualizar que Rae tem em Chloe quem ela gostaria de ser. Na verdade, meio que dá a impressão de que ela acredita que a amiga lhe rouba coisas. Tipo o fato de “roubar” Finn.

Em contrapartida, Chloe demonstra ter o mesmo sentimento por Rae. Ou seja, apesar de ser cheinha, ela tem la suas qualidades. Só não sabe disso.

E aí que a temporada terminou com uma revelação de Finn. Tipo, quem não estava torcendo para que ela conseguisse ficar com o cara?

Mas tipo, ficou mesmo? Os roteiristas pisaram na bola ao deixar isso no ar. Rae acordou toda feliz, e aí?

Ta, ponto para os roteiristas, deixaram isso no ar pra criar expectativas para o que vem por aí.

Ah, também julgo MMFD melhor que The Carrie Diaries, série que tenho assistido, está bacaninha e tal, só que… é meio boboquinha.

Rae e sua trupe tem um texto mais adulto, consistente.

Quem não viu, fica a dica!

2 thoughts on “Melhor que Glee. Que Girls. Que The Carrie Diaries.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *