Men of a Certain Age mais completo no segundo (1X02)

O primeiro episódio de Men of a Certain Age foi motivo de crítica neste espaço, ainda mais por conta da comparação com as fabulosas personagens de Sex And The City.

O principal problema do piloto foi o fato de apenas um dos personagens centrais ter se destacado. De fato Owen ainda é o mais interessante e mais completo também no segundo episódio, mas os outros começaram a mostrar a que vieram.

Joe teve um encontro inesperado com a “mulher dos sonhos” e fugiu de uma outra que dava em cima dele por ainda sonhar com uma volta com a ex-mulher. Foi conversar com a ex e isso motivou uma dúvida: o que ela quis dizer com aquele suspiro?

Também descobrimos que o casamento se desfez por seu envolvimento com jogos, mas que ainda assim ele alimenta um retorno – o que os amigos consideram impossível porque ele ainda joga.

Após o diálogo com a ex ele se intitula um “novo Joe” e esse novo momento nada mais é que o velho Joe apostando ainda mais alto. E foi flagrado pelos amigos.

Só que, além de não sabermos o significado do suspiro ficamos sem saber se ganhou ou não na aposta – o fato de ter detonando o Hulk de brinquedo do filho de Owen não significou nada, sem pistas.

Terry também teve a vida desenvolvida a partir do quase atropelamento e do mico fenomenal que pagou ao ir até a casa do culpado que dirigia o carro e dar de cara com ele, a esposa e o bebê no colo. Se a situação já estava constrangedora ficou ainda pior com a portada na cara.

Mas, insatisfeito, o herói dos “frascos e comprimidos” resolveu se vingar indo pra cima de um outro homem que quase atropelou uma desconhecida na rua. Seqüestrou o carro dele e de birra ainda jogou a chave do marmanjão em um apartamento. Pior que criança.

Já Owen manteve o bom ritmo da estreia com os conflitos entre ele e o pai na empresa e com a esposa se metendo no meio do forfé.

O resultado foi que resolveu falar umas verdades para o pai e o fez engolir que sua meritocracia na verdade era uma merdocracia. Por conta disso ganhou um carrão novo, para provocar o inimigo Marcus. E o fato de Owen ainda ser o mais interessante não prova nem que a série é ruim e nem que os outros atores não são capazes de desenvolver seus personagens.

Falta aos redatores argumentos que os tornem tão atraentes quanto Owen, especialmente caso queiram manter as comparações com Sex. Lá, apesar de Sarah Jessica ser a estrela, todas tinham espaço.

Quando esse probleminha for ajeitado a série ficará redonda, e, portanto, imperdível.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *