The Middle não é normal e é boa (1X01)

Tudo começa literalmente no meio do nada com uma mulher de meia idade aparentemente fora de si e vestida como uma heroína. Isso já é um motivo para chamar a atenção.

Na sequência ela começa a explicar como foi parar ali e a gente meio que entende: vem algo bem doido por aí, especialmente quando somos apresentados ao restante da família – neste primeiro episódio só salvou o marido.

Brick, o mais novo, é todo estranho: conversa sussurrando com o nada e a todo instante chama a mãe de sua heroína – sim, faz sentido com o que aconteceu no início – e além disso ele é desligado do mundo, fica carregando um livro.

Axl é o tipo adolescente largadão: vive circulando de cueca pela casa, zoando os irmãos e brigando por querer comer porcaria, que na verdade é o que a mãe serve para enganar o estômago.

A responsável pela gargalhada gostosa que soltei foi Sue, a menina. Os próprios pais tiram onda pelo fato de nada dar certo em sua vida e se surpreendem quando ela conta que fará parte de um coral, rola até festa. Eis que no dia da apresentação descobrem que ela faz parte do elenco de apoio e está feliz por isso. Eles retribuem bajulando a garota que “foge de si” , começa a se sentir a estrela e com isso acaba com a apresentação.

O pai como eu disse não é tão tresloucado como os demais – ainda não mostrou isso – mas contribuiu para as pirações da mãe, pois nunca vê os recados  que ela deixa e sempre se esquece do filho mais novo – o esquisito – o que faz com que ela se atrapalhe no trabalho e ainda trabalhando se vira com o filho: ela vende automóveis e inventa um test drive que a leva até a escola e busca o menino que acaba ajudando na venda – todo trabalhado no treinamento e repetindo que ela é sua heroína.

Ah, falando nisso, em dado momento ele frisa que a chama assim porque terá que ir vestida de heroína para um trabalho da escola. E ela vai, em dia errado.

E como ela foi parar no meio da estrada?

Foi enganada por uma falsa mãe que a engambelou com uma história forjada e durante um test drive a largou abandonada no meio do nada, vestida como uma super heroína, com cara de louca e sem saber o que fazer.

É ou não é um bom roteiro, cheio de boas histórias que podem render e muito nos próximos episódios? Ao menos é o que parece.

Tem potencial.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *