Nova série ‘Super-Humanos’ do ‘Esporte Espetacular’ estreia neste domingo

O ‘Esporte Espetacular’ estreia neste domingo, dia 25, a nova série ‘Super-Humanos’, que contará a história de pessoas comuns cujas habilidades desafiam a medicina e a ciência. Eles estão sendo monitorados e estudados por cientistas de todo mundo, uma vez que de suas capacidades podem surgir novos conceitos de encarar os limites do corpo humano, uma verdadeira revolução na medicina. O repórter Guilherme Roseguini foi conhecer de perto essas pessoas que descobriram habilidades incríveis de uma maneira quase inesperada. “Investimos muito em pós-produção para que o público entenda, através de efeitos especiais, o que acontece no corpo de cada um deles. É um verdadeiro mergulho no corpo humano”, explica Roseguini.

O primeiro episódio conta a história de Lewis Gordon Pugh, que não ganhou o apelido de ‘Urso Polar’ por acaso. O britânico foi o primeiro homem a nadar nas águas geladas dos pólos usando apenas uma sunga, sem roupas especiais, quando a temperatura era tão baixa que beirava o limite do congelamento. Isso devido a uma técnica especial de concentração que ativa diversas áreas do cérebro e faz com que ele consiga elevar sua temperatura corporal em até dois graus. Os cientistas já batizaram essa habilidade de termogênese antecipatória.

A canadense Olga Kotelko, de 92 anos, é o tema do segundo episódio. Olga descobriu o atletismo aos 77 e hoje detém 23 recordes mundiais. Suas marcas mostram que nem as competidoras 10 anos mais jovens conseguiriam derrotá-la. Cientistas da McGill University, do Canadá, estão desde o fim do ano passado empenhados em descobrir por que o corpo de Olga envelhece em um ritmo diferente do restante da população. Apesar de pessoas com mais de 70 anos terem de 1 a 2% de suas células mortas, no caso de Olga Kotelko, mesmo aos 92, todas ainda estão em pleno funcionamento. “Sinto como se tivesse 50 anos”, garante a canadense. A ciência está descobrindo novos paradigmas para entender o envelhecimento e acredita que no corpo de Olga pode estar a chave para a fonte da juventude.

Já Magnus Carlsen, personagem do terceiro episódio, chamou a atenção do mundo ao derrotar grandes mestres do xadrez com extrema facilidade e chegar a número um do mundo com apenas 18 anos. É o mais jovem enxadrista a liderar o ranking da FIDE. A memória de Magnus é capaz de guardar meio milhão de jogadas, além de prever os vinte lances seguintes de uma partida de acordo com as movimentações iniciais do jogo. Segundo os cientistas, Carlsen ativa uma área do cérebro durante as partidas que a maioria das pessoas não consegue. É um caso raríssimo, que está fazendo os estudiosos reverem os conceitos de limites para o pensamento humano.

A americana Amy Palmieiro Winters fechará a série mostrando sua incrível adaptação à prótese. Depois de perder a perna esquerda em um acidente, a empresária de 39 anos não parou de correr suas provas de longa distância e, ao contrário do que previam os médicos, sua performance ficou ainda melhor. Em 2010, conseguiu uma vaga na seleção americana para disputar o Mundial e foi a melhor de seu país. E não foi na seleção paraolímpica. Segundo os cientistas que estudam seu caso, a forma como seu corpo se adaptou à prótese é única e especial e pode ser a solução para melhorar os sistemas de reabilitação para amputados.

Composta por quatro episódios, a série será exibida no ‘Esporte Espetacular’, que vai ao ar nas manhãs de domingo, logo após o ‘AutoEsporte’.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*