Novo “Video Show” tem Zeca Camargo exagerado – e nada de novo

Novo “Video Show” tem Zeca Camargo exagerado – e nada de novo

22 de novembro de 2013 3 Por Endrigo Annyston

A Globo estreou na última segunda-feira (18), após muitas especulações, o novo formato do “Vídeo Show”, agora sob o comando do jornalista Zeca Camargo. De início, a impressão que Zeca, que já era considerado exagerado no comando do “Fantástico”, resolveu se soltar ainda mais no vespertino. Berra, se agita, não para de se mexer e trata os convidados como se fossem estrelas de Hollywood, tamanha é sua vibração.

Exagera ainda mais quando lhes oferece a ‘calçada da fama’ do programa, como se fosse uma grande novidade – e se contorce como se realmente fosse a calçada original. Em resumo, nesse ponto, o “Vídeo Show” empata com a versão anterior: Zeca mantém a mesma ‘falsa simpatia’ de André Marques e Ana Furtado. Não existe naturalidade.
E é aí que entra um detalhe, dessa vez mais óbvio: o “Vídeo Show” perdeu, e muito, com a saída de Miguel Falabella. Ninguém é insubstituível, entretanto, na televisão, algumas figuras marcam em determinadas atrações e, por isso, comparações são inevitáveis. Não a toa Falabella até hoje é apontado como o melhor apresentador do programa.
No quesito conteúdo, nada de novo. O formato lembra bastante as edições especiais de sábado, comandadas pelo próprio Falabella, com a presença de um auditório. A diferença é a ausência do quadro ‘Teletrívia’, que mais tarde gerou o “Vídeo Game”, com Angélica – esse, aliás, o último bom momento da atração nas tardes da Globo.
Enquanto Zeca conversa com os convidados, um a cada edição, as matérias produzidas pelos repórteres vão entrando sem serem anunciadas, como se não fizessem parte de um mesmo produto. Não estão amarradas. E também, até aqui, não agregaram nenhuma novidade. É mais do mesmo.
Depois de tanto barulho, da aquisição de ex-MTV  que foram contratados com a missão de trazer um frescor ao “Vídeo Show”, isso ainda não aconteceu. Ou a Globo barrou, ou… é o que tem pra hoje.