O ano de 2010 e as mudanças de hábito do público

O ano de 2010 foi um marco para muitas mudanças na TV. Não, infelizmente não foram os diretores e produtores que mudaram. Mas, sim o público.

Apesar da TV ainda ser a mídia eletrônica de maior audiência, ela já não teve esse ano a mesma força que teve em épocas anteriores. 2010 foi o ano das redes sociais e da troca de informações entre internautas. O jornalismo teve que aprender a ouvir mais o público e está, aos poucos, se aderindo a troca direta de opinião promovida pelo Twitter e Facebook.

Começamos 2010 com o preconceito velado de Borys Casoy contra os garis. Além disso, a imprensa acompanhou com emoção a tragédia das chuvas no Rio de Janeiro e o terremoto que devastou o Haiti. O #BBB10, em sua décima edição, se reinventou em alguns pontos e apostou ainda mais na interatividade das redes sociais. Logo depois, veio o tremor do Chile e, em Minas Gerais, o Maníaco de Contagem que estuprava e matava várias mulheres foi finalmente preso.

Hebe Camargo começou e terminou o ano como notícia: depois de vencer um câncer, não renovou com o SBT. A loira mais gracinha da TV mudou de emissora em busca de novos desafios. Avatar se consagra como o filme mais comentado e aplaudido em todo mundo por inovar na tecnologia 3D e mostrar que os efeitos especiais podem ser usados para criar histórias originais e que vão além da imaginação.

A Globo fez 45 anos e o Serra também. Quer dizer, o Serra não tem 45 anos, mas usou o 45 como o número que representa o partido nas eleições presidenciais do segundo semestre. Coincidência ou teoria da conspiração? Mas o fato é que mesmo com todo esse 45, quem foi eleita presidente foi Dilma Roussef – primeira mulher presidenta do Brasil. Apadrinhada por Lula, Dilma tem vários desafios neste início de mandato, principalmente mostrar personalidade política e sair da sombra do ex-presidente molusco.

Já no mundo das telenovelas, apenas duas obras surpreenderam: “Escrito nas Estrelas” e “TiTiTi”. Uma apostou em um conto de fadas moderno com temas espiritualistas. Já a outra, um remake de sucesso de Cassiano Gabus Mendes. No geral, as outras novelas decepcionaram e mostraram um grave crise de criatividade entre os principais roteiristas do gênero. Passione foi o grande fiasco das 21h. A trama se salva apenas pelo excelente elenco, e não pela história em si. O segredo do Gerson – tão comentando no início da trama, e a morte da Diana, foram os piores desfechos de um personagem para uma novela. O telespectador se sentiu frustrado e chamado de trouxa em rede nacional.

No mundo policial, o goleiro Bruno virou protagonista ao ser acusado pelo sumiço da paranaense Elisa Samúdio. Programas e noticiários exploraram o caso à exaustão. E a história aparenta não ter acabado. A cada mês mais capítulos são somados a essa trama de luxúria, crime e glamour. Ainda falando de esporte, o Brasil não ganhou a Copa do Mundo, mas deu um #CALABOCAGALVÃO pelo Twitter ao narrador esportivo mais amado e odiado da TV. Ah, voltando a falar em polícia: 2010 foi o ano de Tropa de Elite 2. Vimos o filme virar realidade quando as Forças Armadas e as policias cariocas uniram forças para acabar com o crime gerado pelo narcotráfico na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemão. Foi uma resposta rápida e eficiente que precisa ser estendida a longo prazo!

Em 2010, fiz três anos de blogosfera com o blog Café com Notícias (http://cafecomnoticias.blogspot.com). Vi as redes sociais ganharem a tão sonhada força expressiva e, em muitos casos, sendo um ponto de fuga para mostrar um outro lado do jornalismo que, muitas vezes, é omitido pela grande imprensa. Prova disso foram as eleições mais conectadas da história do Brasil, onde os internautas podiam interpelar seus candidatos de forma mais direta e franca. Fizemos a diferença!

A televisão fez 60 anos de vida e pouca gente comentou. E foi esse ano que o telespectador criou uma certa independência dos horários da TV e passou a assistir os programas preferidos pela internet. A terceira edição de #AFazenda mostrou uma certa ousadia em não ter PPV, mas colocar o reality 24h no Portal R7. A atração não sambou pela grade da Record, mas continua sendo explorada até as últimas gotas pelos outros programas da Casa. Foi um programa transmídia, assim como o #BBB. E por falar em samba, o WikiLeaks fez as nações mais poderosas do mundo rebolar por revelar segredos da diplomacia internacional e conseguiu causar no último mês do ano.

As séries americanas ganharam força entre os telespectadores que podiam assistir online ou baixar as suas séries preferidas junto com o público norte-americano. O público ficou mais independente e o modelo atual de TV que não respeita o telespectador está se mostrando cada vez mais falido. Sim, as grades voadoras do SBT e Record ainda continuam, infelizmente. Não há uma preocupação em criar hábito no telespectador, apenas resultados altos e imediatos no Ibope. Porém, houve uma revolução: o público se deu a oportunidade de decidir, de fazer escolhas e opinar. E isso foi uma grande conquista! Que venha 2011!

P.S.: Agradeço ao Endrigo pela oportunidade de escrever essa sessão tripla, todos os sábados, aqui no Cena Aberta. Espero que ano que vem tenhamos mais e mais Pontos de Vista. Feliz Natal a todos e um excelente 2011!!!

________________________________________


*Autor: Wander Veroni, 25 anos, é jornalista pós-graduado em Rádio e TV, ambas formações pelo Uni-BH. É autor do blog Café com Notícias (http://cafecomnoticias.blogspot.com). Twitter: @wanderveroni / @cafecnoticias.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *