O Artista é um exercício, uma surpresa que eu não esperava

13 de fevereiro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Já cansei de dizer que gosto de agilidade e, se não for assim, geralmente a produção me dá tédio, sono.

Quando olhei pra cara de O Artista e ele olhou pra mim, pensei: ah, mas vai sonhando que eu vou conseguir assistir esse trem. Vou dormir legal.

Mas resolvi que iria encarar o desafio e entendi a produção como um exercício.

A gente está tão acostumado em fazer diversas coisas ao mesmo tempo. Assistir, ouvir, tweetar, ler, conversar…

E um longa como esse, resgatando um formato do passado, tem que ser visto “frame a frame”, ou seja, não dá pra perder nada porque nem todas as “falas” aparecem escritas e cada reação do ator é fundamental para o andamento da história e compreensão.

Quando você se permite conferir um filme assim, quando mergulha, em questão de minutos está entregue. Foi o que aconteceu com O Artista, me permitiu envolvimento total.

Jean Dujardin, Bérénice Bejo e John Goodman mandaram muito bem! E o cachorrinho???

Acabo definindo O Artista como um filme de superação, amor e uma divertida comédia.

Os elogios que essa produção tem recebido não são em vão, realmente é um forte candidato à estatueta esse ano!

Pratique esse exercício, você também vai se surpreender!