O Brado Retumbante: Faltou agilidade

Não gostei da estreia de O Brado Retumbante, achei paradinha demais, precisava de um tchan logo no início para chamar a atenção, prender o telespectador.

Se o BBB já entrou em cena derrubando a audiência de Fina Estampa, a nova minissérie perdeu ainda mais pontos. Tanto que a estreia foi inferior a de Dercy.

Cenas desnecessárias muito longas como a da jornalista apresentando caaada um dos ministros fizeram com que eu preferisse continuar seguindo o payperview pra ver o pós-paredão.

E veja que coisa: quando Dercy de Verdade estava no ar eu pouco me importava em estar perdendo alguma coisa da casa. Quer dizer, me importava, mas a produção de Maria Adelaide Amaral estava fazendo valer a pena e não apenas por se tratar de uma figura como Dercy.

Eu gosto de agilidade, diversos acontecimentos.

E isso deve acontecer especialmente em estreias, depois, quando o público se espanta, é difícil conseguir recuperar o tempo perdido, ainda mais em minisséries que são mais curtas.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *