O lado Brothers & Sisters de Parenthood (1X11)

24 de junho de 2010 0 Por Endrigo Annyston

Já li bastante comparações entre Brothers & Sisters e Parenthood. De início, achei que obviamente o fato de as séries terem como tema central um núcleo familiar poderia sim trazer semelhanças. Também o enfoque humano, pois não dá pra se falar de família sem ir a fundo nos dramas e conflitos.

No episódio 11 encontrei outros elementos que me “fizeram sentir” – olha o slogan da Warner aí de novo!

Os segredos! Tenho reparado já há alguns dias que os Braverman realmente tem um detalhe que é o grande tchan dos Walker: o fato de não segurarem a língua para guardar segredos.

Ah, e claro, os constrangimentos!

Primeiro a família de Adam tendo que enfrentar o avô dentro de casa reclamando da comida e implicando a todo momento com Max, que tem horário para ver TV, não pode comer rosquinhas e quer um cágado como animal de estimação e não um cachorro, como Zeek insiste. Ah, e ainda comenta com a neta sua felicidade por ela ainda ser virgem!

Obviamente que como ficou claro todos querem “matá-lo” – menos Max, por motivos óbvios -, até que Adam taca na cara dele o que realmente o incomodava.

E Amber caindo na loucura de contar a verdade para Haddie? Gente, isso não se conta! Pelo menos eu acho que não.. apesar que a mentira sempre vem a tona, como no caso de Life Unexpected. Pensasse antes de fazer a caca, né?

Acho que de qualquer forma é pior a situação de Sam e Addison em Private Practice… ali é mais que mero desejo sexual!

Falando em desejo sexual e constrangimento, o que foi Sarah acompanhando Camille em uma galeria de artes e flagrando o óbvio: sua mãe toda-toda com o professor?

Mas as vezes as pessoas não sacam o significado de óbvio e Camille ainda fez questão de contar para a filha como havia sido sua noite… tipo, oi?

Até anotei “a frase” do episódio:

Aquela mulher já é uma avó! Olha pra ela, flertando e dando risinhos como no filme de Sex and the City!

Essa é a primeira vez que falo de Parenthood, série que comecei a assistir por conta de Lauren Graham e que agora definitivamente me sinto a vontade para dizer que entrou em minha lista de imperdíveis: também “me faz sentir”.