O nome do problema da Record é “pressa”

10 de outubro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Avaliando a trajetória da Rede Record nos últimos anos, é possível concluir que o maior inimigo da emissora é a pressa, ou seja, a concorrência não é com os demais canais.

Desde os tempos do Tudo a Ver, quando a atração estava se consolidando nas tardes, não tiveram o cuidado de investir, de plantar a semente para colher amanhã. Fizeram o mesmo com o Programa da Tarde de Maria Cândida, destruíram tudo até que não sobrasse nada.

E foi assim por toda a grade, passando pelo Hoje em Dia, Jornal da Record e novelas.

Todas as atrações da grade passaram a abrir espaço para temáticas policiais e, quando não dava resultado, os programas sambavam pela grade. Caso de Rebelde, Máscaras, Jornal da Record e cia.

Voltaram com o Cidade Alerta e o programa chegou ao fim. Estão tentando de novo e, em época de vacas magras, em determinados dias é a maior audiência da casa. Casos como o SP Record e esse Tudo a Ver, formato de colcha de retalhos, também vem e vão na mesma velocidade.

Agora é a vez do Programa da Tarde que retornou sem trazer nada de novo e, pra variar, apostando em polêmicas. Ontem estava lá Claudete Troiano chorando as pitangas, repetindo tudo o que já tinha dito no Hoje em Dia.

Mas ela faz isso por motivos óbvios: quem sabe, dando audiência pra Record, ela consiga voltar. Só que não deu, né? Chorou, chorou e a atração fechou com míseros quatro pontos.

E já perdeu 40 minutos de arte.

E é assim que funciona: nada de ganhar, só perder. Perdem tempo, conteúdo, audiência, credibilidade.

É a pressa que, como sabemos, é inimiga da perfeição.