Os Descendentes: Simples, comovente e… digno!

16 de fevereiro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Eu costumo me repetir quando digo que uma história não precisa ser inovadora, basta ser boa. As vezes os roteiristas viajam tanto na maionese tentando surpreender todo mundo, cair na boca do povo e, como resultado, ganham uma coleção de críticas.

Em contrapartida, outros, com algo simples nas mãos, fazem do feijão uma feijoada. É o caso de Os Descendentes.

Não é ágil, tem um roteiro comum e, no entanto, em questão de segundos já te envolve. E você embarca sem ter medo.

Ri do jeito estranho de correr de George Clooney, torce para que seu personagem dê um soco no meio do traíra e vibra quando ele faz outra coisa instantes depois. É uma figura hilária esse Matt.

E um homem admirável, cheio de dignidade. Descobre coisas sobre a mulher quando ela já “não” está mais aqui e, ainda assim, nos dá uma lição de vida.

Uma história que fala de amor, com drama e humor e que, sinceramente, não pode ser descrita como “um forte concorrente ao Oscar”, contudo, certamente deve ser tratado como um filme que é bom pra assistir com a família, pra repensar a vida… se emocionar!

+ George Clooney