Passione: A Stela é artificial e forçada

10 de junho de 2010 0 Por Endrigo Annyston


Mais cedo falei que as qualidades superam os problemas em Passione e a personagem Stela, de Maitê Proença, é um dos problemas.

A personagem é artificial, forçada e surreal.

Não que não existam pessoas fanáticas em pular a cerca e que vivem pelas ruas caçando uma nova vitima. A questão é outra, é uma personagem que aparentemente não tem vida.

Talvez os cortes feitos na novela e que geraram reclamação da atriz em seu blog estejam fazendo falta para que possamos entender melhor a alma da Stela.

Eu consigo entender a Clara, por exemplo. Com uma avó ordinária como aquela, vamos esperar o que?

Mas e a Stela? Já surgiu em cena pulando a cerca e, mesmo tendo um marido pavoroso, fica difícil entendê-la apenas pela ótica de suas trepadas diárias e frequentes.

Aí complica, né Silvio? É uma personagem que pode render bem mais e gerar discussões nos debates de nossa sociedade. Está devendo.