Ponto de Vista: Todos querem a onda verde

10 de outubro de 2010 0 Por Endrigo Annyston

*Por Wander Veroni 


A nova menina dos olhos da política brasileira tem nome: Marina Silva. Apesar dela não ter ganhado um número suficiente de votos que a levasse para o segundo turno, a candidata do Partido Verde alçou ao seu grupo político a uma nova zona de conforto e apelo popular. Marina tem governança e carisma entre os formadores de opinião, estudantes, jovens e, principalmente, daquelas pessoas que cansaram do bipartidarismo presente na esfera política brasileira.

Marina agora é  opção. Nem azul, nem vermelho. A onda agora é ser verde. Independente de quem a candidata apoiar no segundo turno, no próximo mandato, o PV já será encarado de forma diferenciada, seja no meio político, seja no eleitorado. Neste segundo turno, nunca um apoio foi tão disputado. Claro, se olharmos para trás, dá para identificar alguns pontos que possivelmente faria Marina adotar a neutralidade, pois ela saiu brigada do PT, e nunca morreu de amores pelos tucanos. Mas tudo pode mudar! Ainda tem muita água para passar debaixo dessa ponte.

Enquanto isso, o eleitor observa de camarote o chamego que o PSDB e o PT fazem ao PV. De uma hora para outra, em questão de uma semana, Marina Silva virou a mesa. Foi primeiro lugar nos assuntos mais discutidos no Twitter e, entre os jovens, era voz unânime de candidato. Além disso, Marina soube adequar o seu discurso às causas sociais, sem deixar a bandeira ambientalista que é a sua marca registrada.

Em Belo Horizonte, por exemplo, Marina Silva teve uma vitória esmagadora, ganhando de Serra e de Dilma. Durante quase 20 anos, a capital mineira foi governada pelos petistas. Desde que o ex-prefeito Pimentel entregou de bandeja o executivo de BH para um partido híbrido, o PT perdeu o forte apelo que tinha entre os mineiros. Outro ponto a se pensar foi mineiridade de Dilma. Mesmo tendo declarado que nasceu em BH, apesar de não residir mais aqui, a candidata de Lula não conseguiu emplacar o mesmo apelo que o seu padrinho tem por essas bandas. Pelo menos para mim, a impressão que ficou foi que esse segundo turno foi um desabafo do eleitorado perante a falta de opções oferecidas, tanto pelo PT e PSDB, que se revezam no poder. Para 2014, Marina se consagrou um nome forte. Talvez consiga, finalmente, ser a oposição consciente e coerente que tanto esperávamos. Por isso, não me canso de dizer: todos querem a onda verde.

________________________________________

*Autor: Wander Veroni, 25 anos, é jornalista pós-graduado em Rádio e TV, ambas formações pelo Uni-BH. É autor do blog Café com Notícias (http://cafecomnoticias.blogspot.com). Twitter: @wanderveroni / @cafecnoticias.