Ponto de Vista: TV Pública não é do público

22 de agosto de 2010 0 Por Endrigo Annyston

Por Wander Veroni*

A ideia no papel é bastante interessante. E se funcionasse do jeito que está escrito nos decretos, portarias e afins seria uma maravilha. Mas, infelizmente, a TV Pública no Brasil ainda não é do público ou para o público. Claro, não dá para generalizar. Há iniciativas em alguns Estados e cidades que deram certo e se tornaram referência na gestão e na produção de conteúdo de qualidade.

Em todo caso, o outro lado da moeda, é mais gritante: as emissoras de radiodifusão públicas ficam à mercê da orientação política da atual administração pública, pois o Estado é, geralmente, o principal financiador das produções. Isso é ruim? Não. Ver o Estado produzindo programas e material jornalístico informativo de qualidade para toda a sociedade é um bem que não tem preço.

Mas, o que pesa é  a falta de visão de alguns administradores públicos que ainda não entenderam a função social da comunicação e do jornalismo. Encaram a TV Pública como gasto, e não como investimento. Em São Paulo, o exemplo mais gritante é o da TV Cultura: uma emissora que ganhou vários prêmios e que, por causa da falta de visão de alguns, adotou a postura de ter programas cancelados, terceirizar produções, demissões em massa, dívidas e jornalistas sendo dispensados por falarem a verdade e não maquiarem os fatos.

Agora, mais do que nunca, que estamos em época de eleição, é fundamental resgatar esse passado não tão distante de alguns candidatos e observarmos as ações deles durante os últimos anos. Sem querer fazer qualquer apologia partidária ou política, é importante lembrarmos da iniciativa da TV Brasil que – apesar das críticas ao projeto, tem a missão de unificar e, finalmente, criar uma TV Pública nacional que valorize as produções regionais e a pluralidade do nosso país. Vai dar certo? Só o tempo dirá.

O ideal seria que as emissoras públicas de radiodifusão tivessem uma parte da tonelada de impostos que pagamos – seja uma verba estadual e/ou municipal, destinada para a manutenção e constante investimento que são necessários fazer. Ou ainda, que fosse possível qualquer pessoa física realizar doações para a manutenção dessas emissoras. Assim, o brasileiro pagaria o custo da TV Pública e ela ficaria independente de grupos políticos, partidos ou administradores públicos. Utópico? Talvez. Mas, de todo modo, seria uma alternativa interessante para que a TV pública fosse do público.

________________________________________

*Autor: Wander Veroni, 25 anos, é jornalista pós-graduado em Rádio e TV, ambas formações pelo Uni-BH. É autor do blog Café com Notícias (http://cafecomnoticias.blogspot.com). Twitter: @wanderveroni / @cafecnoticias.