Presença de Anita: Um marco na vida de um grande autor

14 de dezembro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Assisti a reprise de Presença de Anita no Canal Viva. Ainda é extremamente atual.

Notei um dado curioso: tudo ainda era muito fresco em minha memória, menos o final. Me lembrei de muita coisa, mas o último capítulo eu tinha apagado da memória.

Não me lembrava que Anita morria. Nem Zézinho. Muito menos o Fernando.

Intensa na mesma medida de Maysa, Quando Fala o Coração. Viva, repleta de personagens que parecem ter saído das ruas para a TV. Intensa.

Anita foi o único papel onde Mel Lisboa realmente se destacou, mas ela deu tudo de si ali. Vibrante, maluca, astuta, mentirosa, uma verdadeira bitch, assim era Anita, capaz de conviver até com a família do cara que tinha um caso.

Capaz de traí-lo com o vizinho, que explora por sua ingenuidade.

O menino é tão feito de bobo que, coitado, morreu por culpa dela e, no final, o que ela faz? Reaparece para levar Fernando consigo.

Além de Mel, inesquecíveis os trabalhos de José Mayer, Helena Ranaldi, Vera Holtz, Carolina Kasting e Leonardo Miggiorin.

Zé, aliás, arrasou especialmente por, pra variar, não estar vivendo o galã em uma trama do Maneco. Ele tinha ares de vilão, o mocinho era o pobre Zézinho.

Uma minissérie pra ser vista e revista, sempre. Um sucesso, a maior audiência dos anos 2000, 30 pontos em São Paulo.

Por Anita e Maysa, aliás, é que desejo ver Maneco no segmento minisséries. Ou escrevendo uma novela das 23h.

Meu favorito. Ne me quitte pas!