Quem é Adamo Angel?

29 de outubro de 2012 0 Por Endrigo Annyston


Entre 1996 e 1997 aconteceu um dos fatos mais curiosos da teledramaturgia brasileira. No dia 17 de setembro de 1996 estreou na saudosa Rede Manchete a novela Xica da Silva, que veio a ser o último grande sucesso da emissora. A novela protagonizada pela novata Taís Araújo, de 17 anos, na época, contava a história da escrava que virou rainha e era repleta de cenas quentes e fortes. A trama era escrita com  maestria. Mas por quem? Essa era a grande pergunta que a imprensa da época fazia.
 
Ninguém conhecia Adamo Angel, nome que aparecia nos créditos, como autor da novela. Como a trama vinha fazendo muito sucesso a curiosidade dos especialistas em televisão só aumentava. Adamo Angel era na verdade um pseudônimo, mas de quem? A revista Contigo trouxe uma grande reportagem na época que apontava vários “suspeitos” de serem o real autor. Mais tarde veio à tona que se tratava  nada mais nada menos de Walcyr Carrasco.

Walcyr Carrasco usou o pseudônimo Adamo Angel porque era contratado do SBT na época e como estava sem escrever para a emissora de Silvio Santos topou escrever Xica da Silva para a  Manchete. Punições, multas, não houve. Depois que acabou Xica da Silva Walcyr escreveu sua última novela no SBT, o grande sucesso Fascinação de 1998.

Em 2000  estreou na Globo onde está até hoje escrevendo sempre novelas de grande êxito. Em 2005, Xica da Silva, a novela que escrevera para Manchete sendo contratado do SBT, foi parar nas mãos da emissora de Silvio Santos e a reprise rendeu uma boa audiência sendo vice-lider do começo ao fim.

Por último, poucos sabem, mas antes de ir para Globo,  Walcyr Carrasco escreveu para o SBT uma outra novela chamada Segredo, uma trama de época que se passava nos anos cinqüenta. A novela está lá, prontinha, só falta o SBT gravar. O que chama atenção nessa história é como o Silvio Santos é benevolente e não é vingativo, se fosse com um autor de outra emissora não sairia barato como saiu para o Walcyr no SBT. Fico por aqui, um abraço e até a próxima.

* Gilmar Moraes