Questão gay avança na TV mas a sociedade precisa aprender a calar a boca

1 de julho de 2011 0 Por Endrigo Annyston
Eu sou da seguinte opinião: a gente pode até não gostar ou concordar com certas coisas, mas precisamos aprender a calar a boca.
Esse ato significa respeito a um direito do seu semelhante. Cada um faz o que quiser de sua vida!
No máximo podemos aconselhar, mas ninguém é obrigado a pensar igual.
Agora é o seguinte: em Morde & Assopra tem um personagem todo caricato, porém, não ofende ninguém. Diverte!
Em contrapartida os autores de Insensato Coração estão fazendo diferença na luta por direitos iguais.
De um lado uma história de amor que convence e envolve, do outro, mostram a intolerância e ampliam o debate, explicando, inclusive, como agir em caso de preconceito.
Mas se a televisão presta um serviço importante à uma sociedade atrasada, como explicar o que foi dito pela babaca, inconsequente e esquecida Myrian Rios?
Quer dizer então que ela pode colocar um heterossexual na casa dela e ele não vai, em hipótese alguma, molestar seus filhos? Só gays fazem isso?
Gente, e ela trabalha em causas de Deus!
Só que não me surpreende: outro dia um padre disse em seu sermão que foi abençoar a Festa do Peão em Americana e ficou estarrecido porque só tinha bicha e sapatão!
Ou seja, não vai ser hoje nem amanhã que estaremos livres do preconceito, especialmente porque quem tem o poder de conversar com as massas não colabora para a evolução. Continuamos regredindo.