Record: Crise é motivada por passo maior que a perna

Nas últimas semanas o noticiário relacionado a TV Record tem sido altamente negativo. E, dessa vez, não está restrito a audiência ou ao sensacionalismo.

São muitas as demissões, centenas de profissionais foram dispensados nos últimos dias. Entre os demitidos, até um dos autores de “Dona Xepa”, enquanto a telenovela ainda nem tinha estreado. Novas dispensas estão previstas para os próximos dias.

Tudo isso reflexo das loucuras cometidas pela emissora em meio a essa febre de estar “a caminho da liderança”. Inflacionaram o mercado contratando profissionais, especialmente ex-globais, a peso de ouro. Como se o fato de já terem trabalhado na Globo fizesse com que agregassem audiência.

Sem resultados expressivos e com prejuízos em 2012, a solução encontrada foi enxugar o número de contratos.

Curioso observar, no entanto, que essa crise financeira foi prevista desde o início. É bem verdade que a Record conta com uma “parceria” com a Igreja Universal, entretanto, também depende de publicidade.

E é de conhecimento de todos o fato de a emissora não respeitar quem investe ali. Diversos programas são exibidos sem intervalos comerciais e, quando existe essa pausa para a publicidade, jogam tudo no final das atrações para não prejudicar a audiência.

A conta chegou e estão pagando caro pelas loucuras do passado.

Anos atrás esta coluna estabeleceu comparação entre a TV Record e a personagem Lady Kate, do “Zorra Total”. A Record tinha a “gana”, só faltava o “gramur”.



7 comentários em “Record: Crise é motivada por passo maior que a perna”

  1. A Record não conseguiu enxergar o que todos nós já sabíamos, não são apenas os profissionais que tornam a Globo a melhor emissora do país, mas a qualidade e a experiência de anos que a Globo tem. O resultado era esperado.

  2. O grande problema da Record foi sempre achar que tudo era sempre muito fácil. Por exemplo, antes de estrear qualquer produto estipulavam uma meta de audiência e ponto. Como se fosse simples assim. Lembro até hoje a meta de 'Bela, a Feia': 20 pontos e a liderança no horário. Sabemos que passou longe disse. O cúmulo vem com as metas de liderança. 2010, 2012, 2015 e por aí vai. Só que não se pode só estabelecer um número e pronto. Tem que ralar, ir atrás, se virar e principalmente respeitar o telespectador acima de tudo. E a Record fez exatamente tudo o contrário. Investir em reportagens contra a Globo, Ibope, Folha e etc só demonstram a incapacidade da emissora. Tem que se conseguir o sucesso por méritos próprios e não querendo diminuir ninguém. Esse problema não foi o calcanhar de Aquiles da emissora porque tinha um bem mais sério e crônico: a insaciável, indomável e incontrolável vontade de ser a Globo. Só que, agora, no meio dessa crise toda, a conclusão é que a Record sempre esteve em mãos erradas. Em mãos de pessoas que não sabem lidar com televisão. E de tanto criticarem a passividade do SBT, hoje passam por um problema maior: planejamento errado! O que seria pior, falta de planejamento ou um planejamento completamente equivocado? Não sei. A única coisa que sei é que centenas de famílias, pais e mães, estão perdendo seus empregos enquanto gente completamente dispensável, vide Gugu, continuam a nadar em rios de dinheiro. Fico imaginando o que está se passando na cabeça do Britto Jr. e da Cris Flores, defensores mor da emissora, os que sempre a endeusavam, uma hora dessas. A lição de moral de tudo isso? Economize. Uma hora a conta chega!

  3. O único mérito do SBT foi não ter metido os pés pelas mãos gastando rios de dinheiro em NADA. Porque se o SBT voltou a brigar com a anta da Record foi pela falta de capacidade e os motivos citados no comentário de L.
    A Record agiu como uma pessoa que ganhou fama repentina e ela subiu a cabeça.
    Hoje eu acho uma pena aquela emissora de 2005, cheia de novidades e boas produções ter se tornado isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *