Record e Band agem como policiais e manifestantes agressivos

Foto: Lluis Gene/AFP

Ontem as manifestações contrárias ao aumento do preço cobrado em transportes, a precariedade dos serviços públicos e custos da Copa levou mais de 250 mil pessoas às ruas do país.

Também protestavam contra a violência urbana. Os protestos da semana passada não terminaram bem por conta da ação policial. Uma das imagens mais chocantes foi a da jornalista da Folha com o olho ferido.

Mas protestavam contra a violência sendo que alguns saíram de casa pra causar tumulto, contrariando o ideal do protesto. Como lutar pela paz se você não pratica? É possível fazer manifestação, barulho, sem depredar patrimônio e ferir semelhantes.

A mesma forma agressiva que algumas emissoras de TV agem em meio a desgraça. Sentem o cheiro de violência e tornam o sensacionalismo protagonista.

Ontem a Record suspendeu a exibição da série CSI e seguiu com o Jornal da Record até a faixa de Dona Xepa. Não contente, ainda exibiu um Câmera em Ação sobre o assunto. E segue falando sobre as manifestações full time. Ontem, ficou sem intervalos comerciais para não perder audiência – e isso em meio a crise que vivem, nem assim respeitam os anunciantes.

Já Datena varou a noite com o Plantão da Band no cenário do Brasil Urgente. Nem o pastor que paga pelo horário deu as caras.

Isso não é informar, é fazer baderna. Informar é o que a Globo fez: a cada intervalo de suas atrações Christiane Pelajo entrava ao vivo com novas informações.

O contrário disso é repetir notícia ad nauseam com a clara intenção de obter vantagem em cima disso.

É por isso que canais assim não vão pra frente. Felizmente temos muitas tragédias e desgraças, mas não tantas capazes de segurar o “jornalismo” desses canais o ano todo em alta.


Ps.: Só acho uma pena, mesmo, o brasileiro não ter feiro o mesmo em época de Mensalão…

11 thoughts on “Record e Band agem como policiais e manifestantes agressivos

  1. Oi Endrigo! Sou contra o sensacionalismo barato, mas ontem o momento pedia que todas as emissoras parassem a sua programação para cobrir o protesto. Fiquei de cara da Globo não entender isso – ou ainda, custar a se dar conta de que o momento pedia isso.

    Jornalismo é prestação de serviço e reflexão. Tudo bem que a Globo tem a sua linha, mas o momento pedia um plantão do jornalismo muito maior do que só intervenções durante as novelas.

    Nunca pensei que ia dizer isso na minha vida, mas a Record deu um show de cobertura na TV. Foi a única emissora que mostrou a real de várias praças (cidades) e deu espaço para manifestantes e autoridades. Além disso, a Adriana Araújo deu um show de ancoragem e deixou o Celso Freitas no chinelo.

    A Globo foi muito parcial, principalmente aqui em BH onde o bicho comeu e não foi mostrado nem um terço do que realmente aconteceu. Também me incomodou muito a Globo News não dar destaque para BH, muito menos a Globo Minas oferecer material para a Rede ou para o canal de notícias.

    Mas, o mais bacana de tudo, é que a informação sobre a onda de protestos ficou nas redes sociais e nos blogs. O Jornalismo mudou. E a TV, mais uma vez, se viu pautada pela internet.

    Não gostei da cobertura da Globo…a impressão que tive é que eles não conseguiram entender a dimensão do protesto que estava acontecendo.

    Hoje os principais jornais do mundo estão falando sobre isso e a imprensa (salva algumas exceções) ainda não conseguiu entender a gravidade da coisa, do quanto é significativo tudo isso. O #vemprarua #mudabrasil #VerásQueUmFilhoTeuNãoFogeALuta e #protesto nas redes sociais já são um marco histórico sem precedentes.

    Ontem, não vi nenhuma emissora de TV pressionando os governantes para dar uma resposta, tudo muito declarativo e narrativo. Morno no sentido reflexivo da coisa.

    Na história da humanidade, não existe revolução sem enfrentamento, sem que passamos pelo cabresto ideológico da força física. Ontem, lembrei muito do filme Les Miserablés. Por mais otimista que seja, sei que ainda falta muitas bastilhas para serem postas a queda. Tudo isso foi só um começo.

    Querendo ou não é um preço a se pagar do qual o brasileiro já sente na pele, pois se sente violado quando passa por aumento dos preços, quando o salário não aumenta, quando fica horas no engarrafamento, quando os políticos eleitos não mais nos representam. A gota dágua chegou. E, pelo andar da carruagem, promoverá outras revoluções, outros debates.

    A revolução é isso. É povo nas ruas querendo mudança.

    O momento pede algo a mais. Faltou postura sensibilidade e postura jornalística por parte da TV para entender que a internet está se tornando um espaço com muito mais credibilidade e veio para ficar.

    Abraços

  2. Discordo, Wander. Assisti ao Jornal Nacional de cabo a rabo e eles fizeram uma excelente cobertura, passando por todas as praças. O Jornal foi até quase 21h20 e o Bonner só entrou com a Copa das Confederações quase 21h. Antes disso, só espaço para as manifestações. Depois, nas entradas de Pelajo, abriram para todas as praças. Eu acho que informar não é ficar repetindo informações.

    Apesar de não ter a vinheta, o tema foi tratado como "dia histórico" no JN.

  3. Concordo com o Wander, o momento carece de uma cobertura completa, ampla, não apenas algumas chamadas. É muita gente indo as ruas declarar sua indignação, ai vem a Rede Globo com chamadas falando de policiais acoados e patrimônios depredados? Lógico que sou contra essa violência toda, mas assim como todo grupo da sociedade, existem os maus elementos, e em um grupo de 200 mil pessoas, como não haveria? Ninguém questionando governadores, apenas apontando o que uma minoria está fazendo? Aí como disse na TV Folha um dos colunistas, na França é manifestante, porque é a França, é chique, aqui somos vândalos. O canal pecou sim em não cobrir o evento como um todo e não interromper a programação. Quando Silvio Santos estava sofrendo um sequestro o que eles fizeram? E agora com a população nas ruas "vomitando" o que está engasgado a anos eles se contentam com isso?

    Como em poucas ocasiões, não houve sensacionalismo, houve a necessidade em se divulgar algo histórico. Aliás, na minha cidade será quinta-feira (20/06) e se Deus permitir estarei lá, não pra fazer volume, mas pra também "vomitar" o que não aguentamos mais.

  4. Os protestos se alastram até em outros paises, onde existe brasileiros! A imprensa internacional tá mostrando esses abusos contra os manifestantes! Infelizmente temos uma imprensa nacional suja e um governo corrupto, e afastado do povo!

  5. Concordo com o Wander. Eu que defendo a Globo achei a cobertura no JN totalmente diferente da excelente cobertura da GloboNews.
    Ahh Endrigo, como se o problema dos anos anteriores só fosse o mensalão.. quanta ingenuidade meu caro.

  6. Não sou a favor dessas correntes 'dia sem globo', ficam culpando a Globo esperando que ela tome as atitudes que NÓS devemos tomar. Mas seu jornalismo tem me irritado bastante. Um jornalismo feito para patetas. A emissora deve estar revoltada com a pouca visibilidade da copa das confederações.

  7. A Record vive de "ser bandida" a Band na raiz do problema! Bela cobertura da Globo e SBT, a Globo mostrou tudo, apesar de tentar se justificar, hoje no programa da Fátima, com participação de Bial o mesmo discordou por várias vezes da opinião empresarial de Fátima.
    Mais o pior é ler a forçada de barra ao dizerem que o SBT vai terceirizar 70% de suas produções – KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Precisava dessa para aliviar a tensão!

  8. A globo apenas fez a cobertura e procurou ser imparcial e também p/ preservar sua equipe que estava sendo hostilizada por alguns manifestantes.Além do mais a globo tem uma excelente programação e não precisa usar dessas manifestações p/ obter audiencia como a "band" e a "record".

  9. A Globo, junto do Grupo Abril, e quase toda a midia, fazem parte da elite golpista, que sempre quis um pais atrasado, dividido em "Casa Grande e Senzala". Todos eles defenderam a ditadura. Jornalistas como Alexandre Garcia foi porta voz de coroneis dessa época! Por isso a indgnação do povo! Essa midia não quer essas manifestações…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *