Record erra, faz final fraco para os Dez Mandamentos e agora vai ter que rebolar

Foi ao ar ontem o medonho final de Os Dez Mandamentos. Quase nada aconteceu ali.
Primeiro porque mesmo no último dia tinha embromation e também porque o principal ficou para ser mostrado em março.
Sim, uma novela em duas partes, como se Os Mutantes estivesse de volta. A diferença é que naquela época as histórias andavam em sequência.
A Record errou, e errou feio, ao colocar tanta coisa desnecessária nos capítulos para ampliar a duração da trama, quando poderia ao menos usar esse recurso para adiantar a continuidade da história, ganhar frente.
Assim, deixavam Mandamentos mais dois meses no ar e já estreariam A Terra Prometida. Sem outra bobagem: isso de usar minisséries em reprise.
Como consequência, hoje é o Dia D: a partir de agora, vamos saber as reais audiências de Batalha dos Confeiteiros, Jornal da Record, Xuxa Meneghel, A Fazenda e cia, atrações que foram e muito beneficiadas com Mandamentos.
A Record pisou na bola no passado, pisa de novo. Mas tem o lado bom: com ou sem loucuras, está empregando gente, produzindo. Dos males, o menor.


7 comentários em “Record erra, faz final fraco para os Dez Mandamentos e agora vai ter que rebolar”

  1. Li que na sexta enviaram telegramas informando sobre as demissões, e os funcionários foram na segunda feira assinar. No total de 500. Não estava me referindo aos atores.

  2. As notícias que li era que 500 trabalhadores do RecNov tinham sido demitidos com o fim de Os Dez Mandamentos. Eles seriam da parte técnica (maquiadores, cabeleireiros, contra-regras, luminadores, etc.). A Casablanca recontrataria só parte deles com salários menores e como pessoas jurídicas (o que desobriga a produtora dos direitos trabalhistas). Muitos vão ficar desempregados mesmo. E mesmo esses recontratados serão em condições bem menos favoráveis ao que tinham antes. Pergunta para aqueles que vão ficar na pista se eles estão felizes com a emissora.

  3. A questão é que esses contratos são feitos por obras. Acabou dispensa-se boa parte da equipe. A questão é que a Record continua produzindo então de alguma forma terá ou que recontratar esses mesmos ou recontratar outros. De todo modo a geração de emprego continua.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *