Remake de Chiquititas é uma boa?

É e não é.

Acredito que o SBT está optando pelo jeito mais fácil de segurar o telespectador e, isso, de certa forma, é inteligente.

O público de Carrossel certamente vai permanecer na emissora, assim como os pequenos que, daqui há alguns meses, também se interessarão.

É um segmento que a TV aberta tem deixado de lado e, convenhamos, novelinha infanto juvenil sempre dá certo. Até a Band colheu frutos com Floribella.

Esse é o lado bom.

O ponto negativo, pra minha geração, é que Chiquititas ainda está fresca em nossa memória. Nós éramos os “teens” daquela época, período que foi… tipo ontem.

Carrossel é mais antiga e vem de uma versão mexicana.

Sou contra remakes de produções recentes. Me posicionei assim quando cogitaram uma nova versão de Renascer, prefiro conferir a original.

Em contrapartida acho válida a chegada de Guerra dos Sexos, a possibilidade de refazer Dancin´ Days, enfim, um achado a faixa das 23h na Globo.

Mesmo porque, vamos combinar? Os autores estão mesmo repetitivos, então o melhor, realmente, é viver de passado. Isso explica o sucesso do Viva…



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *