Retrô: #Passione é uma vergonha para qualquer roteirista

Me lembro que logo de cara rejeitei Passione e optei por seguir o Sai de Baixo no Viva.
Contudo, mesmo quando rejeito alguma coisa, dou uma espiada para ver se algo mudou. E Passione mudou, se tornou interessante. Diversos personagens cresceram e o elenco maduro da trama foi o grande responsável pela virada.
Qual minha surpresa ao conquistar um desejo – a morte de Saulo – e me decepcionar com a sequência dessa morte?
A partir daí o texto de Silvio de Abreu que estava excelente virou algo simplório, uma coisa bem Tiago Santiago. E o elenco foi pelo mesmo caminho: as atuações frágeis não conseguiram passar verdade em algo que já estava ruim.
O único grande gancho dessa produção, que poderia ser responsável por uma virada, era a revelação do que Gerson fazia no computador. E ele via pornografia… pornografia!
Silvio de Abreu, um autor consagrado, responsável por inúmeros sucessos, nunca foi tão óbvio, tão brochante. Com tantas boas teorias imaginadas pelos telespectadores e reproduzidas na mídia, ele colocou no ar algo tão ridículo. Tá, tem o lance dos cheiros, mas nós tínhamos como foco o computador… é o mesmo que tentar descobrir qual o cheiro da comida que a Ana Maria Braga tá preparando, não tem lógica, estava fora do nosso alcance! Ele falhou.
Pra mim isso pouco importa, eu já tinha desistido da novela mesmo.
Mas eu faria o seguinte, pra dar um pouco de dignidade ao folhetim: já que ele não tem criatividade para fazer algo melhor, coloca Flora Pereira como assassina do Eugênio.
Isso mesmo, como o ator é o mesmo Mauro Mendonça que arrasou em A Favorita, pega aquela sequência genial da morte de Gonçalo e usa em Passione.
A trama já é um festival de copia e cola mesmo, reutilizando recursos de novelas anteriores…
Como alguém disse no chat que fizemos ontem, só falta o Jamanta reaparecer, porque a mudinha já está por ali.
E é bom não se animar, a próxima trama começa desacreditada porque o samba do crioulo doido já começou nos bastidores…
*post publicado originalmente em 30 de novembro de 2010


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *