Retrô: Separação que é boa mesmo quando é trash

O episódio de Separação da última sexta vai de encontro com aquilo que sempre afirmamos aqui.
Uma boa atração na TV precisa de texto+direção+bom elenco. A soma disso na maioria das vezes tem como resultado sucesso – precisa incluir aí a questão da sorte.
E o que uma coisa tem a ver com a outra?
O episódio foi trash, recheado de situações que com a maior facilidade do mundo fariam a produção descambar pra falta de noção e perder a mão.
E isso não rolou porque, apesar da caracterização trash, Déborah Bloch e Vladimir Brichta, o restante do elenco, a direção e o texto impediram que isso acontecesse.
Se é possível dizer, foi o melhor episódio da temporada. E que temporada!: 
* publicado originalmente em 26 de abril de 2010


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *