Salve Jorge não é tão ruim quanto pregam

29 de novembro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Muitas vezes a audiência interfere no julgamento de uma obra. Não é bem assim.

No caso de telenovelas, diversos grandes trabalhos já foram exibidos sem repercussão alguma, mas agradaram em cheio os adoradores do segmento. Casos como A Vida da Gente, Essas Mulheres e a atual Lado a Lado, elogiadíssima.

A audiência? Na casa dos vinte pontos.

Não vou tentar defender Guerra dos Sexos, o próprio autor já bateu o pé dizendo que não irá modificar o folhetim e até culpa a classe C, dizendo que não entenderam seu humor.

Mas que humor? A quem Guerra dos Sexos tem divertido? É uma novela com potencial, um bom elenco e ele simplesmente não soube aproveitar.

No caso de Salve Jorge, no entanto, alguns motivos explicam a audiência em baixa.

A ressaca de Avenida Brasil, o calor e o fato de receber em baixa de Guerra e Jornal Nacional. Isso é um ponto.

O outro, o efeito “déja vú”: muita coisa ali temos a sensação de já ter visto em O Clone, América e Caminho das Índias, inclusive o elenco.

Ao mesmo tempo, é possível identificar qualidadesi. Ontem mesmo Rodrigo Lombardi emocionou na cena com Junior, aquela graça que é Luiz Felipe Mello – ele merecia o mesmo oba oba de Mel Maia.

E esse triangulo amoroso, com ele, Nanda e Flavia, super funciona. A música tema do casal principal, Esse Cara Sou Eu, já é o sucesso do momento.

Ainda nesse núcleo, um salve para Suzana Faini que tem arrancado água de pedra e Dira Paes. Sinto pena de Rosi Campos, merecia muito mais que isso – o mesmo para Antonelli, Domingos Montagner, Zezé Polessa, Stênio Garcia, Nivea Maria e alguns outros.

Claudia Raia, Totia Meireles e Vera Fisher também estão numa pegada interessante. Letícia Spiller idem.

Também gosto das sequências na casa de Dona Leonor – tirando Dalton Vigh que parece estar sempre fazendo a mesma coisa.

E o Tiago Abravanel que foi anunciado com pompa e circustância? Acredito que tinha muito mais espaço e repercussão com o a peça sobre Tim Maia.

O elenco excessivo atrapalha o desenrolar das tramas que funcionaram.

Tipo, Antonio Calloni com aquela baita cara de italiano como turco? E aquela gralha que é a personagem da Betty Gofman? Ela entra em cena e me dá azia!

O curioso é que, tendo como plano de fundo a Turquia, o que funciona, mesmo, são os núcleos brasileiros.

Ou seja, em resumo, temos uma novela com diversos problemas, mas que tem uma história que pode pegar caso a autora tenha um foco.

Exemplo: no site da novela há o anúncio de que Sonia Braga também estará em Salve Jorge.

Pra que se Perez ainda não está dando conta desse batalhão que eu já apelidei de Arca de Noé?

Foco Glória, foco!